Jundiaqui
Jundiaqui

Caetanofilia!

Jundiaqui
28 de outubro de 2017
Por Vera Vaia

Que preguiça quando as mídias sociais encasquetam com um assunto!

A moda agora é levantar a hashtag #Caetanopedofilo, tudo porque sua mulher, agora ex-mulher, contou pra todo mundo que deu pra ele quando tinha treze anos de idade. Todos entrando numa vibe de Caetano Veloso, o que deflorou uma criança, Caetano Veloso, o pedófilo, Caetano Veloso, o comedor de criancinhas (ah, não! Esse título é dos comunistas), e por aí afora!

Como diria a meninada, e "oquico"? Que quer dizer em bom português, o quiqui eu tenho com isso? E niquiqui isso influi na vida do brasileiro?
Em absolutamente, nada! E é bom lembrar que há três ou quatro décadas, as meninas de treze anos não eram tão meninas assim. Já eram mulheres formadas e preparadas pro casamento que acontecia bem cedo. Isso é da época em que as moçoilas eram já doninhas de casa, limpando, lavando, passando, cozinhando, trabalhando de dia e estudando a noite e, portanto aptas para um relacionamento sério. Nada disso era considerado trabalho escravo e namoro naquela época era uma decorrência absolutamente normal da evolução da garota.

Larga mão, gente! Foca na estrada! (A primeira vez que li isso num outdoor indo para a praia, achei que tinha errado o caminho, e que estava indo pra Antártida).

Não estou defendendo Caetano e os velhos baianos! Só acho que futricos sobre sua vida sexual não nos afeta. O que afeta, é saber que um ser que passou a vida em cima do muro, venha agora cagar regras porque achou uma escada vantajosa pra descer de lá.

Caetano se vangloria hoje de ter ficado exilado em Londres (junto com Gilberto Gil), porque "era uma vítima de perseguição política". Até foi! Mas por engano! Ele foi, na verdade, vítima de um equívoco da censura burra instaurada na época da Ditadura Militar, que entendia que caminhar contra o vento, sem lenço e sem documento, era uma poderosa arma comunista que derrubaria o regime. Os censores viam ameaça em tudo. Se já existisse a música “A Pipa do Vovô não Sobe Mais”, e eles entendessem que era uma ofensa aos generais com disfunção erética, certamente seria proibida!

Ele acabou fugindo para a Inglaterra mas continuou sendo o mesmo parece que não sei de sempre. Nunca pegou no batente pra valer contra a ditadura.

Depois que voltou, continuou na moita. Só começou a se manifestar quando o governo Lula, num arroubo de generosidade suprema, abriu a burra para artistas em fim de carreira, escorado na tal Lei Rouanet.
Até contratou alguns para que se fizesse a farta distribuição de benesses entre os correligionários. Gilberto Gil, por exemplo, subiu no expresso 2222 e foi parar no Ministério da Educação. A carioca Ana de Hollanda, irmã do Chico, foi ver a banda passar na Secretaria de Cultura da cidade de Osasco, em São Paulo. Depois desse "estágio", foi ser Ministra da Cultura da Dilma. Quer dizer, do governo dela, porque Cultura e Dilma não caminham juntas. E assim, todos "engajados" na luta por um país melhor (pra eles), estão aí fazendo jantarezinhos e reuniõezinhas de apoio explícito à corrupção!

Isso de fato incomoda! E decepciona! Saber que o dono de uma voz afinadíssima e autor de grandes pérolas da música popular brasileira, não tem nada debaixo dos caracóis de seus cabelos, é desalentador!

Que pena! Eu gostava muito de você, leãozinho!

Vera Vaia é jornalista

 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Festa Julina do Celeti é uma grande diversão

Uma tarde de brincadeiras, bom papo e delícias da temporada no Parque da Represa

Tem receita boa e barata? O Sesi tá pagando pra conhecer

Concurso culinário tem inscrições gratuitas até 21 de julho e vai distribuir R$ 40 mil em prêmios

Piche

Pelo Dr. Didi

Inventário dos Recursos Naturais dos Municípios

Por Afonso Peche Filho, especial para o JundiAqui
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.