Jundiaqui
Jundiaqui

Capitão Trovão

Jundiaqui
2 de agosto de 2019
Por Vera Vaia

Eu sei que é chato ficar batendo sempre na mesma tecla, mas por outro lado cadê auto-controle pra não comentar as besteiras e as grosserias da nosso presidente?

O Chefe de Estado (será que ele tem noção de que ocupa esse cargo?) abriu sua bocarra mais uma vez para dar declarações polêmicas.

Em entrevista, Bolsonaro tentou justificar a presença daquele monte de bolsonaros num helicóptero da FAB, fazendo selfinha e gravando vídeo dentro dele, como se fossem donos do pedaço: “Eu fui ao casamento do meu filho. A minha família ia comigo. Eu vou negar o helicóptero a ir para lá e mandar ir de carro? Não gastei nada além do que ia gastar”.

Bela justificativa! Não gastou nada além do que ia gastar com o dinheiro do povo, mas gastou a imagem que criou como candidato, a do presidente que ia acabar com as mamatas!

Deusmilivri de defender o governo anterior, mas, só pra levantar a lebre, como seria a reação da população se fosse a família daquele um que tá preso e que não gosto nem de falar o nome, que estivesse de carona no helicóptero presidencial?

Com atitudes como essa, fica claro que a mamata só acabaria para os outros. Sua turma pode andar no avião que pertence ao governo e achar que isso é natural, e seu filho pode ser embaixador nos EUA sem chamar a decisão de nepotismo! É só mudar os nomes das trapaças!

Outra declaração sua que provocou reação negativa até dos seus correligionários foi a “cusparada” na cara do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, órfão de uma vítima do regime militar.

Dizer que Fernando Santa Cruz, pai de Felipe, foi morto pelo grupo terrorista Ação Popular do Rio de Janeiro, por ser um traidor, pegou mal – pra dizer pouco. A Comissão da Verdade confirma que ele foi torturado e morto por agentes da ditadura.

(Dá a impressão que Bolsonaro age como um gato: mija na parede pra marcar território. E cada declaração dessas é uma mijada pra provar que quem manda é ele, que pode falar o que quer e fim de papo. Bem típico dos já manjados ditadores.)

E sobre essas falas, aqui estão alguns comentários ouvidos na semana, que mostram como o fanatismo faz extrapolar as barreiras do bom senso e da decência do ser humano: “Ah, mas esse cara era um terrorista e mereceu a morte que teve”. “Ah, mas esse presidente da OAB não é nenhuma flor que se cheire e mereceu essa chaputelada do Bolsonaro”.

Mas mesmo com o apoio desses petistas ao contrário (não se vê diferença entre adoradores do mito e adoradores do meliante preso), a maioria do povo brasileiro ainda espera por um governo que faça o país andar pra frente, com menos papo e mais resultados.

A decepção já está aflorando e muitos que achavam que tinham votado no salvador da pátria agora estão se dando conta de que acabaram elegendo um Napoleão de hospício.

Vera Vaia é jornalista

Charge: Pelicano Vilas Boas/Reprodução Facebook
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Max Gehringer, nosso especialista em Copas

Jundiaiense tem livros sobres os primeiros mundiais e um que trata dos 7 a 1 de 2014 para a Alemanha

Chá Natalino é primeira festa do Clube Ação Solidária

Formado em abril, já chega a 170 associadas em trabalho para ajudar os carentes de Jundiaí

Dia de gastar a sola do sapato ou esperar em filas nos postos

Nada voltou ao normal em Jundiaí, que sofre com o desabastecimento pelo 9º dia seguido

Jundiaí ganha sua “Memória LGBT”

Projeto contemplado com verba do Estado tem festa de apresentação na Argos
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.