Jundiaqui
Jundiaqui

Deprê!

Jundiaqui
31 de agosto de 2018
Por Vera Vaia

A depressão é uma doença que provoca distúrbios do humor e que pode ser desencadeada por motivos diversos: tem a depressão pós-parto, depressão pós-cirúrgica (especialmente após cirurgias cardíacas), depressão pós-choque emocional...

Um dia desses achei que podia estar desenvolvendo a doença, devido às minhas oscilações de humor. Mas logo me dei conta de que a minha era diferente e não se encaixava em nenhuma das “deprezes” conhecidas. Descobri a causa e até dei um apelido a ela: depressão pós-lançamento oficial das candidaturas!

Quanto mais assisto a debates e entrevistas com os candidatos à Presidência da República, mais pra baixo eu fico, com tanta mentira que ouço e com tanta desfaçatez que vejo!

Promessas? Todas! Tudo o que todo mundo já prometeu e que, claro, não cumpriu. Daí a gente começa a ouvir absurdos como acabar com o desemprego e endireitar a economia, tão logo assumam o cargo, tentando convencer o eleitor de que isso é possível a curto prazo.

Mentiras? Todas! Nesse tópico nem dá pra enumerar o tanto de lorotas contadas pelos candidatos que já tiveram, ou têm, algum posto importante na política. É um tal de “no meu governo acabei com a criminalidade no meu Estado", “no meu governo não tinha desemprego”, “nos 27 anos em que fui deputado federal, só tive duas propostas minhas aprovadas”. Ops! Isso não é mentira!

Mas o que mais está causando irritação, depressão, desânimo, vergonha e outros substantivos que denotam paumolice é a tremenda falta de educação de alguns aspirantes a presidente!

No "Jornal Nacional" dessa semana, o primeiro candidato entrevistado, Ciro Gomes, aquele que disse que vai tirar o nome de todos os inadimplentes do SPC, se segurou pra parecer uma moça de bons modos, o que não é de seu feitio, mas peitou o Bonner rechaçando a várias perguntas que o colocavam em situação de perigo. O entrevistador tocou no assunto Carlos Lupi, seu queridinho e rapaz de tão boa índole, segundo ele, a ponto de dizer “no meu governo ele vai poder ocupar o cargo que quiser”. Bonner insistiu que Lupi era réu condenado por improbidade e investigado por crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Ciro bateu o pé e respondeu que Carlos Lupi não é réu e que ele “tem minha confiança cega”. (Pelo jeito é cega e surda!).

O segundo presidenciável entrevistado, foi o menino da cola, Jair Bolsonaro.
Nem com a cola na mão, conseguia responder às perguntas, se fazendo, o tempo todo, de sonso. (Ou seria incapacidade cognitiva?). Polêmico por defender a ditadura militar, e pelos arroubos de homofobia explícita, partiu de pau pra cima da Renata Vasconcelos e do Bonner, quando perguntado sobre homofobia e sobre as mordomias que ele aceita de bom grado como deputado federal. Nessa questão, se justificou dizendo que a prática não é ilegal (e não é mesmo, mas pra quem defende a moralidade, não combina, né seu Jair?) e saiu atirando pedras na moça!

O dono de frases como “vizinho gay, desvaloriza o imóvel” e “prefiro um filho morto a um filho gay”, tentou se defender chacoalhando um livreto que ele diz ser distribuído nas escolas públicas, que incentiva a prática homossexual, e tentou justificar sua intempérie ao cruzar com LGTBs nos corredores da Câmara.

“Eles tinham acabado o 9° seminário LGBT infantil e estavam aí comemorando o lançamento de um material para combater a homofobia, que passou a ser conhecido pelo nome de Kit Gay”. (Evento esse desmentido por vários meios de comunicação).

Exasperado na maior parte do tempo, estava mais calmo quando, em outras palavras, chamou o Bonner de corno, comparando o fim do seu casamento (por traição da sua mulher, segundo as más línguas) com o do apresentador. “Quando nós nos casamos, eu com minha esposa, e você com a sua, nós juramos fidelidade eterna, mas aconteceu alguma coisa no meio do caminho...” (os bolsominions estão aplaudindo, em pé, essa “tirada de gênio”).

O terceiro entrevistado, Geraldo Alckmin, mais articulado do que os outros, não deu pano pra manga porque se comportou como um chuchuzinho.

A quarta, Marina Silva, não entrou aqui porque o texto ia ficar muito longo e também porque não tenho paciência pra assistir a uma entrevista de quase meia hora com a dona daquela vozinha que provoca, pelo menos em mim, uma expectativa de que vai acabar a entrevista com um “votem em mim, baixinhos e baixinhas”.

E, inspirada numa frase do Ciro Gomes, termino aqui igual biruta de aeroporto, e me segurando pra não tomar um Exodus!

Vera Vaia é jornalista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

DIA DA MULHER \ Alice espalha cores e formas por muitos países

Pintora jundiaiense tem obras que nos levam a reflexão sobre defesa de minorias 

Juliana Galdino nos 100 anos da Revolução Russa

Atriz que fez história em Jundiaí, lê discurso de Stálin para projeto da TV Folha

Jesus nasce no coração de todos!

Por Nelson Manzatto

Clube da Lambretta acelera por Jundiaí

Pessoal se reúne em sítio do Caxambu, de onde parte para provas de velocidade e de resistência de até quatro horas
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.