Jundiaqui
Jundiaqui

Dou-lhe uma, dou-lhe duas…

Jundiaqui
26 de agosto de 2017
Por Vera Vaia



Apesar da chiadeira dos partidos de oposição, finalmente alguém, no caso o presidente Temer, descobriu que o governo não tem de ser empresário, e resolveu se livrar de um monte de estatais que oneram, e em muito, os cofres da União. Uma delas é a Casa da Moeda. (Essa até eu queria comprar. Quando a gerente do banco liga pra dizer que o saldo está negativo, é só pedir pra ela esperar pela próxima fornada). Mas isso só vai acontecer no ano que vem.

A primeira venda da lista é a Eletrobrás, a companhia energética, que já está quase sem energia para sobreviver, graças ao grande feito da ex-presidenta Dilma, que em 2013 quis acenar com o chapéu dos outros, e concedeu um corte de custo em 18% para a população e de até 32% para as indústrias.

Ela viu nessa atitude, a luz no fim do túnel para iluminar a sua imagem já desgastada naquela época. Só não viu o apagão financeiro que a empresa iria sofrer alguns anos depois. Essa medida causou perdas bilionárias para a empresa, que só conseguiu sair do buraco escuro no ano passado. O povo também sentiu isso na carne, ou melhor, no bolso, já que a provedora de energia teve de praticar aumentos meio que abusivos pra tentar sobreviver.

Dilma achou que uma empresa desse porte podia ser tratada como a lojinha de R$ 1,99 que teve lá no Rio Grande do Sul. Se quebrar, quebrou! E foi exatamente isso o que aconteceu com sua loja de bugigangas panamenhas, a Pão & Circo. Quebrou! Depois disso, ela descobriu que nem só de pão e circo vive a mulher, então partiu para a política. E para a tristeza geral da nação, no período em que exerceu a função, provou que só entende de circo, deixando o país quase que na mesma situação da sua lojinha de tranqueiras.

E agora, a "experiente" empresária vem dar pitacos sobre a venda da Eletrobrás: "a privatização ameaça a segurança energética do país e pode gerar uma conta estratosférica ao consumidor". Diante dessas declarações, respiramos aliviados! Se ela tem essa opinião, é porque o governo está no caminho certo. A venda das ações ordinárias (deve ter recebido esse nome depois que a então presidenta meteu o bedelho na empresa), pode trazer uma graninha boa ao governo, algo em torno dos 20 bilhões, como espera o Ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho.

E aproveitando a temporada de liquidações, bem que o governo podia vender todas as casas e apartamentos funcionais destinados aos políticos. Se nós que ganhamos pouco pagamos aluguel, porque eles que ganham muito, não podem pagar? Seria um bom passo para começar o processo de "limpeza política" do país! Sem mordomias, só se candidatariam os que pensam no bem do Brasil, e não os que pensam no seu próprio bem estar!
Vam'bora, bater o martelo!

Vera Vaia é jornalista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Mais Médicos, menos médicos

Pelo Dr. Didi

Uma típica história de filme hollywoodiano em nosso teatro sábado

Com texto e direção de Miguel Falabella, peça é uma mistura de drama e comédia com um musical de câmara

Técnicos ou jogadores: quem são as grandes estrelas?

Por Luís Claudio Tarallo

Rotary Club Serra do Japy festeja seus 10 anos de atuação

Festa foi comandada pela presidente Jussania Lamarca no Quality Hotel
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.