Jundiaqui
Jundiaqui

Evangelizar é comunicar a Boa Nova de Jesus

Jundiaqui
10 de junho de 2019
Pelo bispo Dom Vicente Costa

“Ide pelo mundo inteiro e proclamai o Evangelho a toda criatura!” (Mc 16,15).

Prezados irmãos e irmãs da Igreja de Deus que se faz presente na Diocese de Jundiaí:

Na celebração da Solenidade da Ascensão do Senhor – este ano ocorreu no domingo, dia 2 de junho −, a Igreja celebra o Dia Mundial das Comunicações Sociais. Para a 53ª edição deste evento, o Papa Francisco enviou uma Mensagem para a Igreja com o tema: “Somos membros uns dos outros (Ef 4,25): das comunidades de redes sociais à comunidade humana”.

A celebração do Dia Mundial das Comunicações Sociais é um momento muito oportuno para refletirmos sobre a necessidade da comunicação na vida e na missão da Igreja. Antes de deixar seus apóstolos e voltar ao Pai, terminando a sua missão na terra, a ordem do Senhor Jesus foi bem clara: “Ide pelo mundo inteiro e proclamai o Evangelho a toda criatura!” (Mc 16,15), “e fazei discípulos todos os povos” (Mt 28,19). Daí a importância da comunicação para a Igreja de Jesus Cristo.

A Igreja tem tratado desta temática em várias ocasiões, publicando documentos importantes para orientar e conscientizar os fiéis sobre a missão que todos nós temos, como discípulos missionários de Jesus Cristo, de comunicar a alegria do Evangelho. Em âmbito universal, vale a pena lembrar o Decreto Inter Mirifica, sobre os meios de comunicação social, do Concílio Vaticano II, publicado no ano de 1963. Já em âmbito nacional, no ano de 2014, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil publicou o Diretório de Comunicação da Igreja do Brasil (Documentos da CNBB, n. 99).

O que se entende por “comunicação”? Este termo é abrangente e não se restringe apenas aos meios midiáticos (rádio, TV, jornal impresso, redes sociais, etc.), mas a toda e qualquer forma de relacionamento humano. Numa sociedade que se transforma numa velocidade alucinada, marcada pelos avanços tecnológicos, principalmente pela era digital, provocando profundas mudanças sociais, culturais e de costumes, a questão da comunicação apresenta-se como um grande desafio, e, ao mesmo tempo, como uma absoluta necessidade para uma evangelização eficaz feita pela Igreja.

Queridos irmãos diocesanos: gostaria de aprofundar este tema à luz do discurso que o Papa Francisco dirigiu aos participantes na Assembleia Plenária do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, no dia 21 de setembro de 2013.

O Papa inicia o seu discurso, destacando a importância da comunicação para a Igreja. Ele reconhece que “nas últimas décadas, os meios de comunicação evoluíram muito, mas a solicitude permanece, assumindo novas sensibilidades e formas”. Hoje em dia a comunicação tornou-se, graças às várias modalidades das redes sociais, um verdadeiro “ambiente de vida”, uma rede onde as pessoas comunicam, alargam as fronteiras dos seus conhecimentos e dos seus relacionamentos. Este fenômeno trouxe aspectos muito positivos, como a possibilidade extraordinária do acesso ao saber e relacionamentos entre os internautas outrora impensáveis, embora se constatem limites e fatores nocivos nestes meios. Por isso, devemos nos convencer de que não existe evangelização sem comunicação, principalmente pelos meios modernos das redes sociais.

Em segundo lugar, no seu discurso, Papa Francisco pergunta: “Qual é o papel que a Igreja deve ter com as suas realidades e atividades de comunicação?”. O Sumo Pontífice responde que o único objetivo da comunicação, independentemente das tecnologias utilizadas, “é saber inserir-se no diálogo com os homens e as mulheres de hoje, para compreender as suas expectativas, dúvidas, esperanças”. Nesta grave crise que a humanidade atualmente atravessa, quando muitos preferem viver isolados, fechados em seu pequeno mundo ou quando muitos perderam o sentido da vida e da esperança, “é importante saber dialogar, entrando, com discernimento, também nos ambientes criados pelas novas tecnologias, nas redes sociais, para fazer emergir uma presença, uma presença que escuta, dialoga, encoraja. Não tenhais medo de ser esta presença, afirmando a vossa identidade cristã ao fazer-vos cidadãos deste ambiente. Uma Igreja companheira de estrada sabe pôr-se a caminho com todos!”, destaca o Papa Francisco.

Por fim, o Papa Francisco nos provoca com uma questão fundamental: “Neste contexto da comunicação, todos nós enfrentamos juntos um desafio, e a questão principal não é de ordem tecnológica. Devemos interrogar-nos: Somos nós capazes, neste campo também, de levar Cristo, ou melhor, de levar ao encontro de Cristo? De caminhar existencialmente com o peregrino, mas como caminhava Jesus com os peregrinos de Emaús, inflamando o coração, fazendo-lhes encontrar o Senhor? Somos capazes de comunicar o rosto de uma Igreja que seja a ‘casa’ para todos?”. Penso que sempre damos um testemunho autêntico e consequente da nossa fé. Nem sempre somos verdadeiros discípulos de Jesus, animados por um profundo sentido de missão, pois preferimos viver numa Igreja de portas fechadas, não acreditando na Igreja “em saída”, que vai ao encontro das pessoas que ainda não descobriram a alegria de viver o Evangelho. Diz o Papa Francisco: é preciso “fazer redescobrir, no encontro pessoal e também através dos meios de comunicação social, a beleza de tudo o que está na base do nosso caminho e da nossa vida, a beleza da fé, a beleza do encontro com Cristo”.

Talvez o grande desafio da comunicação não seja simplesmente tecnológico, mas a formação de homens e mulheres “que trazem consigo aquilo que têm dentro, as suas esperanças, os seus sofrimentos, as suas ansiedades, a busca do verdadeiro, do belo e do bom”, isto é, a Pessoa e o Evangelho de Jesus Cristo.

Queridos irmãos diocesanos: este é o objetivo da Pastoral da Comunicação (PASCOM) em nossa Diocese, Paróquias e Comunidades. É preciso assumir a formação e o compromisso de conscientizar todos os ministros ordenados e os agentes de pastorais e movimentos eclesiais da necessidade de se comunicar, e comunicar-se bem. A Pastoral da Comunicação deve gerar comunhão e interatividade fora e na comunidade eclesial, alicerçando seus trabalhos em quatro eixos principais: formação, articulação, produção de material adequado e espiritualidade.

E a todos abençoo, particularmente todos aqueles engajados na Pastoral da Comunicação a serviço da evangelização.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

A evolução de um modelo de jogo

Por Marcel Capretz

Rio Jundiaí ganha plano de cuidados contra enchentes de R$ 1,5 milhão

O trabalho, previsto até julho de 2020, visa propostas de controle de cheias em áreas urbanas e rurais

Adelson Lopes comanda mais uma feira do imóvel e construção

Começa dia 19 no Maxi Shopping, este ano com 80 empresas expositoras

O Brasil melhorou?

Por José Renato Nalini
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.