Jundiaqui
Jundiaqui

“Infinita É Tua Beleza”

Jundiaqui
6 de fevereiro de 2019
Lucinha Andrade Gomes escreve sobre o livro em comemoração ao Jubileu de prata do Refogado do Sandi

Lucinha Andrade Gomes

Domingo (3), pós-Baile do Havaí, ainda sob o efeito da carismática Ivete Sangalo, fui com as amigas Andréa Castro, Nailor Trevisan e Soninha Vargas prestigiar o lançamento do livro de Edu Cerioni, "Infinita É Tua Beleza", publicado pelo famoso Márcio Martelli.

Entre abraços e fotos revi, o querido Fábio Pescarini (foto abaixo), que atua no jornalista paulistano e foi do extinto "Bom Dia", o que fez bater uma imensa saudade de escrever.

Tenho vergonha, mas confesso nunca desfilei no bloco Refogado do Sandi! As minhas incursões carnavalescas foram na Arco-Íris, no famosíssimo Chupa que é de Uva e em sampa, na X9, com samba enredo “Vi, Vim e Venci", em homenagem ao Inos Corradin! O leitor mais desavisado pode até perguntar-se: e o Refogado onde fica? Em uma brevíssima retrospectiva, a resposta é simples: às sextas-feiras eu estava sempre trabalhando e seria no mínimo curioso uma diretora de escola sambando em dia letivo. São águas passadas...

Seguindo orientação do prefácio de José Arnaldo de Oliveira, abracei o livro sem moderação e viajei com o bloco por Jundiaí e junto com o Edu também pelo cenário nacional de vinte e cinco anos atrás.

Fui levada ao contexto cultural, social e político mais amplo; o autor fez os links certeiros com o futebol, a moeda nacional, o presidente acompanhado da atriz semidesnuda, mas precisamente sem a peça íntima, os movimentos musicais, os nossos doces bárbaros (Oswaldo e Picôco), o nascimento do PT na terra de Petrô e assim por diante. Fui tomada pelo espírito literário e apaixonei-me pelo Refogado do Sandi. Pela irreverência do Erazê, a firmeza da "deretora" Gisela , o carisma do rei vitalício Osíris D’Angeri. Conheci todas as rainhas, como as festejadas Sônia Fávaro, Márcia Seixas Mota e Celinha Fávero, entre outras dessa linda história.

A imagem metafórica que melhor traduz o meu sentimento foi ver o centro de Jundiaí, a partir do Gabinete de Leitura invadido por bolinhas de gude coloridas, desformes e variadíssimas rolando em uma alegria esfuziante ao comemorar um dia de liberdade, democracia e não vou escrever, pois dizem sou uma lady, o dia em que você não está nem aí ! Captaram o verbo? Kkkk...

Ao observar as fotos, fiquei deveras surpresa ao saber que a tímida Maria Helena Soutello levou absinto aos foliões e foi rainha do bloco! Sempre soube que o amigo Luiz Haroldo era simpatizante do Refogado do Sandi, mas a Maria Helena surpreendeu!

Fantasias inusitadas, irreverências mil, destaco meu saudoso amigo Picôco Bárbaro desfilando no seu habitat natural de celebração: viva a vida!

O que fica do livro é alegria desta festa cultural jundiaiense, que se faz cada dia mais viva e autêntica. As bolinhas de gude multiplicaram-se e a folia prossegue, afinal como diz o samba de 2019:

"Tá tudo baseado
Na história do Refogado.
Se liga Maria, diz aí João:
O Refogado é minha nação!"

Parabéns, Edu Cerioni pela publicação! Infinito é o teu talento!!!

Lucinha Andrade Gomes é professora e advogada



Fotos: Henrique Ramalho
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Samba, suor e lágrimas de emoção no Bar Natura

Quando Tom Nando assume o microfone, a noite de domingo se transforma em uma festa

Hoje tem circo na cidade, tem sim senhor!

Internazionale Circo Di Napoli chega com sua tenda para até 1.800 pessoas na Ozanan

Chá da tarde com as vovós mais descoladas de Jundiaí

Clube da Lady comemora Dia da Avó com festa, muitos mimos e doações para a Casa Transitória

Crônica da Cozinha – Socorro online

Por Manuel Alves Filho
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.