Jundiaqui
Jundiaqui

O resgate da confiança

Jundiaqui
10 de junho de 2018
Por José Renato Nalini

Na visão de Sérgio Abranches e de outros pensadores atuais, as três angústias que afligem o homem contemporâneo são: a destruição do meio ambiente, a falência da Democracia Representativa e as ameaças da 4ª Revolução Industrial.

Todas graves e urgentes. Todas capazes de acabar com a vida no planeta. Pelo menos a vida como acreditamos que ela seja ou deva ser. Só que uma delas tem um encontro marcado com a nacionalidade: as eleições de 2018, para este triste país chamado Brasil.

A política partidária se desgastou de tal forma, que atingiu deterioração inimaginável. Hoje, quem tem coragem de se dizer político, parece estar assinando um atestado de corrupção. Generalizou-se aquilo que todos os partidos fizeram e se enlamearam, confundindo o público e o privado, se apoderando de dinheiro do povo e aprofundando a iníqua desigualdade social que se agravou nos últimos anos. Ninguém saiu ileso. Respingou a dúvida em desfavor dos poucos honestos que ainda são encontrados nos quadros eleitorais.

Como devolver à população a esperança de que a política partidária continua a ser a fórmula adequada para estabelecer um convívio solidário? Não é fácil. Mas não é impossível.

Para isso, é preciso ter coragem. Muita coragem, o que não é apanágio de tantos. Enfrentar os temas polêmicos. Com firmeza e sem receio de ser politicamente incorreto. Ninguém mais suporta a tergiversação. As pessoas têm nojo do populismo. Principalmente do populismo brega, da mediocridade, daquele aproveitamento vulgar de tudo o que possa parecer simpático ao eleitor e que é utilizado por quem nunca se preocupou com os temas nevrálgicos, porém quer agora oportunizar sensibilidade.

Coragem para dizer a verdade. Destemor para ter franqueza. Mentir é mais fácil. Omitir-se também é uma tática em voga. Ficar na platitude, repetir chavões, dizer aquilo que o auditório quer ouvir. Variar o discurso conforme a plateia.

Não dá mais para esse jogo. Haverá saída?

O caminho só pode ser o que não se espera dos camaleões. Expor-se. Ousar. Ser audaz. Dizer a que veio. Fazer escolhas. Definir-se. Não se iludir com a espera da unanimidade. É melhor o não com clareza, do que o talvez ambíguo. Não há partido incorruptível. Toda instituição humana é suscetível de acolher seres humanos com fissura de caráter. Mas condenar o adversário e ocultar as faltas dos parceiros é ignominioso. Impõe-se pedir perdão pela cegueira, por haver se entregue a praxes hoje inadmissíveis. Aceitar o erro da omissão ou da imprudência de ter navegado nas águas turvas da quase ilicitude. Uma postura de dolo eventual: aceitar o risco de se expor. Conviver cercado de pessoas que não mereciam confiança. Tudo em nome de coalizões nefastas.

Mas a população séria quer muito mais.

Assumir o compromisso de reduzir drasticamente o número de partidos. Uma República de quarenta partidos é uma falácia democrática. Acabar com o Fundo Partidário: que o partido seja sustentado pelos seus filiados. Interromper a sanha irresponsável da criação de novas entidades federativas. Frear o crescimento desenfreado da máquina pública.

Contar a verdade sobre a Previdência, que mais dia menos dia – e isso está mais próximo do que se imagina – deixará de honrar proventos e pensões. Pois o Brasil real não cabe no PIB. Muito delírio, muita mentira, muita pretensão desancorada de encarar um quadro tétrico: a recessão brava, a estagnação, o desemprego crescente. Não se previu o tsunami da modernidade e nossa indústria perdeu o rumo da inovação. A educação não foi levada a sério por todos os responsáveis, não só pelo Governo. Até porque, o timingdo governo é o da próxima eleição, incapaz de imaginar o que deva ser uma geração adiante da sua.

A população que não está pronta para a mutação estrutural que ciência e tecnologia trouxeram e já alteraram o que se acreditava estável e permanente é a mais penalizada. Ainda acredita em diplomas, em cursos universitários de profissões que serão descartadas. E que já o são, sem que grande parte dos interessados o perceba.

O próximo Presidente, o próximo Congresso, os Legislativos estaduais não terão condições de resolver a tragédia nacional. Mas poderão mostrar que o Brasil tem jeito e esse jeito não pode se afastar da verdade. Nunca houve uma conjunção de fatores adversos tão sérios e tão comprometedores como hoje. Atraso tecnológico, paralisação da produtividade, violência em ascensão, na mesma proporção do desânimo e da desesperança.

Quem teve condições procurou abrigo no Primeiro Mundo, num êxodo inverso ao das correntes migratórias que tanto desenvolvimento trouxeram para o Brasil pós-abolição.

Uma responsabilidade enorme recai sobre os próximos governantes. Não se espere que em quatro anos haja reversão do caos. Mas a sinalização de que gente séria assumiu o leme já seria suficiente para conquistar aqueles que não podem sair do Brasil e gostariam de encontrar estabilidade, paz e condições de viver dignamente neste chão em que nasceram. Conscientizem-se disso e abandonem a obsoleta e necrosada fórmula de fazer política. Chega de discurso. Chega de promessas vãs.

Sem isso, nas próximas eleições o espaço estará aberto para a aventura. Para o inesperado e para o temerário. Não se deve correr esse risco. Pode ser a derradeira oportunidade de se garantir o sonho de Nação desenvolvida. De se cumprir a promessa do constituinte de 1988, ao acenar com uma pátria justa, fraterna e solidária.

Sem que se admita a falência da Democracia Representativa neste Brasil que já não crê em nenhum mandatário, sem que as máscaras sejam arrancadas e permaneça exclusivamente o ser humano em cotejo com a sua vontade de encarar a verdade, não haverá futuro decente no horizonte.

O grande eleitor de 2018 será o medo. E o medo não é bom conselheiro. Não paguemos para ver.

José Renato Nalini é desembargador, reitor da Uniregistral, escritor, palestrante e conferencista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Os portenhos

Tango, vinho, jamón Pata Negra, muita caminhada, conversas e surpresas em Buenos Aires, conta Cláudia Bergamasco

Sorte da Copa da Rússia. Ele vai…

Por Nivaldo Mosele

Briga de Foice!

Por Vera Vaia

Jundiaí aposta em software que traga ganhos ambientais

City Performance Tool é a ferramenta que a Siemens vai usar aqui 
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.