Jundiaqui
Jundiaqui

Para games não há idade

Jundiaqui
21 de setembro de 2018
Por José Renato Nalini

Idosos aprendendo programação para inventar jogos digitais. Não é ficção, mas saudável realidade. Para mostrar que a 4ª Revolução Industrial não é coisa apenas para os jovens antenados, mas atinge a todos quantos tenham vontade de participar dessa realidade virtual que afetou o cotidiano de milhões de pessoas.

As escolas de games perceberam esse filão e já se articularam para oferecer cursos para maiores de sessenta anos. A idade-padrão para caracterizar a velhice no Brasil. Fabio Ota, CEO da International School of Game – ISGame, uma escola especializada em cursos de programação, vê com entusiasmo a possibilidade de empolgar idosos nesse mister lúdico e promissor. Não acredita em apostilas. Por isso acredita que os mais velhos vão ter de pensar mais, ativar a memória e a concentração.

A sua experiência é no sentido de que os idosos têm dificuldade no primeiro mês. É preciso insistir para que não desistam do curso. Aqueles que ainda não têm familiaridade com a tecnologia participam de classes de inclusão digital, para aprender o básico, assim como usar o mouse e acessar a internet.

Desenvolvem games mais simples nos primeiros meses, em duas dimensões. No segundo módulo, preparam jogos para crianças. Em seguida, entra a parte de criatividade, com desenho de personagens e elaboração de jogo mais sofisticado.

Ota não apenas ofereceu as aulas, como pesquisou os efeitos da criação de games para a saúde dos idosos. Avaliou, durante cinco meses, pessoas com mais de 65 anos que participavam das aulas em um projeto apoiado pela FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, hoje sob o comando do notável cientista Professor José Goldemberg. Apurou-se que a programação de games ajuda a prevenir o declínio cognitivo. Os sentidos ficam mais aguçados. É uma terapia fazer jogos.

Outro benefício dessa iniciativa de propiciar a programação de games para idosos é o retorno do convívio entre avôs e netos. Os avós que acompanham os netos e que sabem jogar com eles, não se sentem excluídos. E a exclusão do velho é um dos relatos mais dolorosos de quem se sente só, embora tendo família. A triste solidão da falta de diálogo.

JOSÉ RENATO NALINI é desembargador, reitor da Uniregistral, escritor, palestrante e conferencista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Temporada de Halloween em Jundiaí

Natura abre a folia de Dia das Bruxas, programe-se pra se divertir…

Rodolfo de Neguinho é a atração do Happy Hour do Maxi

Shopping tem boa música de graça na noite desta terça-feira

Toda a delicadeza do Vietnã na charmosa Hoi An

Marcela Andrade Gomes segue sua aventura asiática no JundiAqui

Em 1934 acontecia nossa primeira exposição vitivinícula

Por Vivaldo José Breternitz
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.