Jundiaqui
Jundiaqui

Rumo à cidadania digital

Jundiaqui
1 de dezembro de 2018
Por José Renato Nalini

A criança precisa ser treinada desde cedo a se tornar uma “cidadã digital” com redução dos riscos a que estaria sujeita sem essa peculiar educação. Quanto mais cedo ela aprender a não praticar violência online, ela também se tornará mais resistente a ser vítima de violência. Mas também a ter autocontrole para não ficar dependente e agir com responsabilidade nas redes sociais.

Existe um instituto de educação digital que é presidido pela coreana Yuhyun Park, formada na Universidade de Harvard e chamado DQ Institute. Para ela, as competências digitais devem estar nos currículos das escolas de todos os países e desde os anos iniciais.

Não é suficiente impor horário para uso do celular, como alguns pais já fazem. Pesquisas mostram que mais da metade das crianças de 8 a 12 anos no mudo estão expostas aos riscos do mundo digital. Dentre eles, a exposição à pornografia, a conteúdos violentos ou a vícios em jogos. Quando as crianças têm seu próprio celular – e isso está virando moda até mesmo entre estamentos hipossuficientes – esse risco aumenta em 20%.

A criança do século XXI tem de ter inteligência digital, conjunto de competências para lidar com o mundo das redes. Para isso, devem ser educados de forma completamente diversa da qual o foram até hoje. A educação digital é uma ferramenta pedagógica, apta a ensinar, cientificamente, como limitar o tempo na frente das telas. É suficiente mostrar o quanto isso afeta o cérebro, o corpo ou as habilidades cognitivas.

O bullying foi potencializado pelas redes, pois aquilo que poderia permanecer num círculo restrito, até íntimo, entre algoz e vítima, em geral viraliza e ganha dimensão incrível. A criança precisa saber que ao inserir algo na internet, isso permanecerá lá para sempre. É o passado virando presente e atormentando pessoas que nem sempre conseguem escapar da depressão, do estresse e até do suicídio.

Para a especialista, a criança não deve frequentar as redes sociais pois é ingênua e está vulnerável à ação nefasta de adultos perversos e até portadores de taras. Há tempo para mergulhar nesse mundo sem volta. Mas o cuidado quem tem de tomar é a família. Pais e mães, ou responsáveis, devem ser francos. Sem impedir que a cidadania digital se instale por todo o globo. Esse encontro é inevitável.

José Renato Nalini é Reitor da Uniregistral, escritor e jornalista, conferencista e palestrante.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Tem inauguração chique e uma japonesa a caminho

Edu Cerioni fala da vinda da Miniso e também de Festa Portuguesa e da garra de Duda Zilio 

Blocos têm que terminar Carnaval até oito da noite

Prefeitura dará banheiro químico e fará limpeza da rua ao final do desfile; locais dependem de aprovação

30 anos da Uniodonto: sorrisos compartilhados

Plano odontológico festejou aniversário em grande estilo no Clube Jundiaiense

Jundiaí precisa de política de biodiversidade (exemplos não faltam)

Por José Arnaldo de Oliveira
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.