Jundiaqui
Jundiaqui

A sociedade do amanhã

Jundiaqui
6 de fevereiro de 2019
Por José Renato Nalini

A ficção da “sociedade civil” é cada vez mais fictícia. O que temos hoje? A minoria contente com sua vidinha e a maioria não tão silenciosa, urrando e não enxergando perspectivas.

O Brasil piorou muito nas últimas décadas. O declínio dos valores é evidente. Há um déficit de confiança, carência quase absoluta de brio. Ética só no discurso. O consenso único é a falta de consenso em praticamente tudo.

Por incrível que pareça, a ciência e a tecnologia continuam a surpreender. Todos se comunicam com todos, as notícias atingem milhões em instantes. Propaga-se a informação e a falsidade com avidez. A violência é flagrante. Material e espiritual. Esta, sob a forma da insensibilidade, da invisibilidade da miséria. Da exclusão e do preconceito.

Que falta faz uma liderança séria! Alguém que tivesse discurso consistente, que formasse a maioria possível para traduzir aquilo de que o Brasil precisa para sair do atoleiro.

Na falta desse vulto deflagrador de uma cruzada, resta ao indivíduo e aos pequenos grupos assumir protagonismo salvífico. Valer-se da revolução tecnológica para impactar nichos de convivência. Há exemplos históricos. A 3ª Revolução Industrial alavancou a vida dos trabalhadores intelectuais, fazendo com que suas tarefas se tornassem mais leves do que a dos operários em indústria. Estes haviam deixado de esforços hercúleos em virtude da 2ª Revolução. Mas a 4ª deve trazer muito mais novidades.

Pouca gente prestou atenção ao que aconteceu entre 1988 e 2008: o trabalhador na indústria se tornou o precariado. Perda de postos de trabalho e estagnação salarial. Mas agora são os artífices de trabalho intelectual os ameaçados. A automação, a robótica e o poderoso algoritmo, em uso pela Inteligência Artificial, pode substituir os contadores, os advogados e outros profissionais.

Um exemplo: o escritório da Goldman Sachs em NY, no ano 2000, empregava 600 negociadores. Em 2017, apenas dois, a manusearem um programa automatizado de negociação. Há muita coisa em risco. No momento em que o anúncio de algumas vagas congrega dezenas de milhares de ansiosos desempregados, o desafio é tétrico. 65 milhões estão entre os que não têm postos de trabalho, os que procuram trabalhar e os desalentados que já desistiram.

Qual o projeto da política partidária para essa tragédia anunciada? Qual o desenho possível para a sociedade brasileira da próxima década?

O jundiaiense José Renato Nalini é reitor da Uniregistral, docente universitário, palestrante e conferencista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Aula no Celeti: maquiagem não tem regra, mas tem técnica

Ana Lúcia Soares ensina como as mulheres podem ficar ainda mais bonitas

Dona Idelma Bulhões lança seu primeiro livro aos 90 anos

“Caminhos da Saudade” traz poesias que emocionam. Autora também fez o desenho da capa

Max Fercondini vai a Lisboa e apresenta programa da Globo em Portugal

Jundiaiense vai comandar o “Sem Cortes”, uma espécie de “Vídeio Show” lusitano

Pato Fu traz sua “Música de Brinquedo 2”

Grupo mineiro volta a Jundiaí com seu trabalho voltada para a garotada
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.