Jundiaqui
Jundiaqui

A velha caixa de costura

Jundiaqui
27 de maio de 2019
Por Wagner Ligabó

Vez ou outra pego uma camisa que subiu passada direto para o cabide de meu guarda-roupa e ao vesti-la sinto falta de um botão.

Não sou de incomodar a cara-metade por detalhes simples como esse e, sabendo onde fica a velha caixa de costura que nos acompanha desde o casamento, por que não eu mesmo realizar a costura? Afinal sou cirurgião ou não?

Abro a caixa em busca da linha e agulha adequada e ao ver aquele enovelado de fios, a princípio, desanimo. Minha mulher arruma e eu, um eterno apressado, desarrumo.

Mas, com paciência tibetana, vou pouco a pouco tentando entender o que acontece, separando pacientemente aquele embolado até obter o meu intento em separar o que servirá à minha costura. Calma, determinação e objetividade te levam ao sucesso. Repito este mantra diversas vezes antes de desanimar.

Então, enquanto tento organizar  o desalinho que pela pressa causei, fico pensando: a vida política mesquinha é igual a isso aqui, só que não se consegue dar jeito. Pode até se tentar, mas não se consegue.

Nossas vidas seguem regras políticas para tudo. Sem boa política a sociedade não se sustenta. O que preocupa é que na política eleitoreira tem pouca gente que quer as coisas ordenadas com responsabilidades efetivas. As boas ações são ignoradas muitas vezes. É muito mais fácil criticar, não se importar ou até mesmo desarrumar propositalmente do que pôr ordem. É muito mais fácil agitar sem responsabilidade do que colaborar com ações efetivas.

Olho novamente para a caixa com este olhar político crítico: são tantos nós enroscados, são tantas linhas que se cruzam sem explicação ou se rompem fácil, são tantas cores destoantes, é tanta bagunça que o melhor é fechar a caixa de costura, desencanar e ir embora sem pregar o tal botão. É mais fácil!

Agora, neste viés, o que dizer da qualidade de costureiras -não as legítimas e ordeiras trabalhadoras, exemplos femininos - mas as que não são muito afeitas a pegar no pesado e preferem veranear se considerando especialistas em política? Estas deveriam antes de saírem costurando por aí especializarem-se em arrumar suas caixas de costura, rever suas linhas e agulhas, pois certamente o cerzido oferecido sempre será de péssima qualidade.

Mas, infelizmente, como em nosso país hoje compra-se tudo o que se apresenta sem checar a origem do produto, cada vez mais, vamos perdendo qualidade no que nos é oferecido como nação.

Pelo andar da carruagem chegará o momento em que ninguém perceberá que sua camisa está sem nenhum botão, pois alguém numa página qualquer dos Facebooks da vida, dirá que a moda agora é essa e se não usar assim será uma vergonha e todos, os ditos amigos, acreditarão. É o nosso mundo virtual das verdades!

Eu prefiro pacientemente pregar o botão, ter a consciência que fiz o correto, que a costura valeu a pena, fechar com cuidado a velha caixa de costura - pois se bem utilizada durará para sempre - e que deu pra sair a tempo para mais um dia produtivo de trabalho.

Boas costuras: é só disso que o Brasil precisa!

Wagner Ligabó é médico cardiologista e vereador em Jundiaí
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Maxi Shopping sorteia dois carros

Foram mais de 240.000 cupons depositados na urna durante a Campanha de Natal

“Conexões” mostra obras doadas para Jundiaí na Pinacoteca

São trabalhos de sete artistas em destaque até dia 28, entre eles Cecília Celandroni

O meu “Bom Dia”

Por Wagner Ligabó

Lá se vai o ‘doutor’ Apollo ajudar a curar as crianças

Golden Retriever de 7 anos faz a festa com os internados no Hospital Universitário
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.