Jundiaqui
Jundiaqui

Campanha Diocesana de Conscientização 2017

Jundiaqui
24 de novembro de 2017
Por Dom Vicente CostaTema: “Dízimo: nossa missão!” 

Lema: “Dar consciência sobre o dízimo a quem não a tem”.

De graça recebestes, de graça deveis dar!” (Mt 10,8).


Prezados irmãos da Igreja de Deus que se faz presente na Diocese de Jundiaí:

A Pastoral do Dízimo da nossa Igreja Particular lançou, neste mês de novembro, a quarta edição da Campanha Diocesana de Conscientização sobre o dízimo, com o tema: “Dízimo: nossa missão”, e o lema: “Dar a consciência sobre o dízimo a quem não a tem”.

Bem sabemos que a missão de evangelizar perpassa necessariamente pela realidade financeira. O dinheiro, quando bem utilizado, torna-se um instrumento eficaz da evangelização. Ter uma consciência formada, e ao mesmo tempo equilibrada no que diz respeito à importância do dízimo, permite que cada cristão seja capaz de assumir a sua comunidade paroquial como a sua própria família, que necessita de cuidados.

Eis aí a finalidade do dízimo para todos os que abraçam a comunidade como a sua própria família. O Senhor Jesus nos diz: “De graça recebestes, de graça deveis dar!” (Mt 10,8). Tudo o que temos e somos é dom de Deus. Por isso, ofertar a Deus de forma livre e generosa o seu dízimo permite-nos não ceder à tentação do poder e da escravidão do dinheiro. Deste modo, o nosso dinheiro torna-se uma forma de edificar e fortalecer a solidariedade, como também de solidificar os laços familiares da nossa comunidade. O dízimo torna-se nossa missão, e procura, por meio de nosso testemunho, criar sempre mais a consciência do ser dizimista fiel e consciente naqueles que ainda não a têm, como afirmam o Tema e o Lema da Campanha Diocesana de Conscientização do Dízimo deste ano.

Para que isto aconteça realmente, acredito que precisamos nos perguntar: “Como estamos usando o nosso dinheiro? Qual a nossa atitude diante dos nossos bens materiais”?

Para responder a esta pergunta, olhemos para o belíssimo trecho do Evangelho de Marcos, quando apresenta a pergunta do jovem rico diante de Jesus: “Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna?” (Mc 10,17).

Este jovem rico era conhecedor da Lei de Deus. Queridos irmãos diocesanos, muitos de nós também conhecemos bem os mandamentos e os decretos de Deus. Bem sabemos que amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo (cf. Mt 22,37-40) é o indicativo para que possamos viver a alegria da comunhão com Cristo e com a sua Igreja.

Diante do apego exagerado aos bens materiais, diz Jesus ao jovem rico: “‘Só te falta uma coisa: vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me’. Ao ouvir isso, ele ficou pesaroso por causa desta palavra e foi embora cheio de tristeza, pois possuía muitos bens” (Mc 10,21-22).

O pedido de Jesus nos faz um questionamento muito sério e provocador: “os nossos bens e o nosso dinheiro têm nos permitido viver o compromisso com Deus e com o próximo?” Se formos como o jovem rico do texto bíblico, infelizmente, ainda temos muito que caminhar para nos desprender do dinheiro e dos bens materiais que nos escravizam e nos afastam de Deus e do nosso próximo.

A Campanha Diocesana de Conscientização do Dízimo não quer ser um instrumento para que a Igreja lucre com a arrecadação do dinheiro nas Paróquias e suas comunidades. Ao contrário, a Campanha de Conscientização do Dízimo tem a única finalidade de proporcionar ao Povo de Deus, presente nesta amada e querida Igreja de Jundiaí, a oportunidade de renovar nosso seguimento à Pessoa do Mestre e dar nossa contribuição numa evangelização mais eficaz da nossa Igreja, sem estarmos presos às coisas do mundo.

Infelizmente o dinheiro tem escravizado cada vez mais as pessoas. Acerca disso, o Papa Francisco tem insistido “que o apego ao dinheiro destrói as pessoas, as famílias e a sociedade. O dinheiro pode servir para fazer coisas boas, e a pobreza não deve ser procurada enquanto tal, mas como instrumento para colher a medida da existência e ir ao encontro do Senhor” (Homilia da Santa Missa celebrada na Capela da Casa Santa Marta, em Roma − 23/05/2013).

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) publicou um documento muito importante sobre o dízimo e a Pastoral do Dízimo: O dízimo na comunidade de fé: Orientações e propostas (Documentos da CNBB, n. 106). Trata-se de um subsídio muito valioso, que deve iluminar e em muito ajudar para que a Campanha Diocesana de Conscientização do Dízimo tenha pleno êxito. Como pedem os nossos Bispos, devemos urgentemente compreender e assumir as quatro dimensões importantes que envolvem o dízimo.

Eis as quatro dimensões do dízimo: “A contribuição com o dízimo é um modo de reconhecer que Deus é o Senhor de todos os bens (dimensão religiosa), de manter as estruturas eclesiais no âmbito paroquial e diocesano (dimensão eclesial) e de partilhar os recursos, em vista do crescimento do Reino de Deus (dimensão missionária) e do serviço da caridade (dimensão caritativa)” (cf. O dízimo na comunidade de fé: Orientações e propostas, nn. 28-33).

A Diocese de Jundiaí, neste abençoado Ano Jubilar, uma vez mais se alegra e agradece a misericórdia do nosso Deus, pois sabemos que, apesar dos desafios que encontramos na missão de evangelizar, particularmente em relação à Pastoral do Dízimo, nossas Paróquias e comunidades têm procurado dar o melhor de suas forças para a renovação comunitária e o compromisso de fortalecer a fraternidade e a solidariedade, a partir da vivência do dízimo. Mas, certamente, podemos avançar muito mais! Não se pode pôr limites quando se trata de viver a caridade e a solidariedade para com os outros. Tenhamos plena certeza daquilo que São Paulo afirma: “Deus ama quem dá com alegria” (2Cor 9,7).

Meus queridos diocesanos: o dízimo é um verdadeiro gesto concreto de amor. Todos nós devemos nos sentir responsáveis por esta Pastoral. Estejamos de coração abertos para colocar em prática mais esta Campanha Diocesana de Conscientização do Dízimo. Conclamo os meus irmãos presbíteros a nos unirmos nesta empreitada, para que, com o auxílio de cada Agente da Pastoral do Dízimo, possamos sempre mais ter a consciência de que “há mais felicidade em dar do que em receber” (At 20,35). Agradeço a todos os Agentes da Pastoral do Dízimo por sua fidelidade e perseverança nesta missão, por mais árdua que seja. Porém, peço-lhes que sejam sempre mais criativos e audaciosos nesta obra tão fundamental na nossa ação evangelizadora, pois os trabalhos e os desafios na construção do Reino de Deus aumentam cada mais vez. Por fim, aos queridos diocesanos que ainda não experimentaram a prazerosa e confortante experiência de ser dizimista, peço-lhes: procurem, o quanto antes, os responsáveis da Pastoral do Dízimo de sua comunidade e façam já a sua inscrição.

Que esta seja a oração de todo dizimista fiel e generoso:

“Pai Santo, contemplando Jesus Cristo, vosso Filho bem amado que se entregou na cruz, e tocado pelo amor que o Espírito Santo derrama em nós, manifesto, com esta contribuição, minha pertença à Igreja, solidário com sua missão e com os mais necessitados. De todo coração, ó Pai, contribuo com o que posso: recebei, ó Senhor”. Assim seja!

E a todos abençoo, e de um modo especial, todos os dizimistas e os Agentes da Pastoral do Dízimo da nossa Diocese.”.

Dom Vicente Costa é Bispo Diocesano
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Diga não para a violência contra o idoso

João Carlos José Martinelli (foto) e Dênis Fernando Berni tratam sobre o tema em encontro nesta quarta

Racismo em questão na telona e nos debates

“Eu Não Sou Seu Negro” tem exibição neste sábado no Sindicato dos Metalúrgicos

O lado obscuro do esporte

Por Luis Cláudio Tarallo

O chofer do carro verde

Nelson Manzatto passeia pela Jundiaí dentro de um Chevrolet dos anos 1950, um carrão bem chamativo
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.