Jundiaqui
Jundiaqui

Cinemateca

Jundiaqui
21 de abril de 2018
Por Vera Vaia

A vida imita a arte ou a arte imita a vida?

Vamos assistir aos filmes da semana e ver se encontramos a resposta!

O PODEROSO CHEFÃO

Essa obra prima de Francis Ford Coppola, sobre a saga da família mafiosa que queria impor sua soberania na América, passando por cima de tudo e de todos, foi citada um dias desses, pelo juiz Sérgio Moro, em conferência proferida em Harvard. Moro compara Don Corleone com o nosso Don Luis Inácio, no caso Petrobras.

Ele disse: “Nem sempre os casos de corrupção têm um 'ato de ofício' (em juridiquês, isso quer dizer mais ou menos, um documento assinado) específico do agente público para caracterizar o crime”.

Para ilustrar, Moro lembra quando no filme Amerigo Bonasera pede a Don Vito Corleone para vingar sua filha agredida, e pergunta se o chefão quer algo em troca pelo favor. Ele responde: “Nada agora, mas um dia talvez, peça algo”. Qualquer semelhança com pessoa viva (e atualmente presa), não é mera coincidência!

INTRIGA INTERNACIONAL

No filme, o publicitário vivido por Cary Grant, é confundido com um agente secreto. Ele é perseguido e tem de lutar para provar sua inocência.

Na vida real a agente nada secreta e nada discreta Gleisi Hoffmann, grava um vídeo que foi ao ar pela rede Al Jazeera de TV, pedindo apoio ao mundo árabe, para libertar Lula que, segundo ela, é um perseguido político, preso sem provas.

Ora, dona Gleisi, querer provar a inocência como fez o buniton Cary Grant, porque realmente era inocente, é uma coisa. Apelar para grupos extremistas lá fora, para que saiam em defesa do seu bandido de estimação, é incitação ao terrorismo, sua loka! Ninguém vai interditar essa mulher, não? Ela já ultrapassou todos os limites acetáveis para a insanidade mental.

O LABIRINTO DE FAUNO

Ofélia, a princesa que vivia no submundo, vem a superfície mas sente falta da sua vida de fantasia. Um dia encontra o fauno, que se propõe a ajudá-la e ele lhe dá três tarefas secretas que iriam resolver sua vida.

Aqui a nossa Ofélia se transformou no militar Edson Antonio Moura Pinto, subtenente do exército cedido ao Gabinete de Segurança Institucional para fazer a segurança do Lula. Suas tarefas? A primeira, conforme noticiado pelo "O Antagonista", foi a compra dos pedalinhos personalizados, Pedro e Arthur, a pedido de dona Marisa e entregues no sítio de Atibaia. A segunda foi a compra de material de construção utilizado na reforma do tal sítio. E a terceira foi o providencial roubo de roupas e do passaporte do ex-presidente, que estavam em seu carro lá em Curitiba. (Aliás, esse passaporte não deveria ter sido confiscado?)

Parece que o subtenente ainda não se deu conta de que seu fauno está preso, e de que ele não tem como escapar. A não ser que o STF pinte setas no chão, indicando a saída do labirinto.

FORREST GUMP, O CONTADOR DE HISTÓRIAS

No ponto de ônibus, Forrest começa a contar a história da sua vida a uma mulher, repetindo frases que aprendeu com sua mãe, tais como “a vida é como uma caixa de bombons. Você nunca sabe o que vai encontrar” ou “idiota é quem faz Idiotices”.

Frases perfeitas e totalmente cabíveis, ao agora réu, Aécio Neves! Contar histórias fantasiosas e querer fazer com que todos acreditem, só com o Forest, Gump, senador! Na vida real não cola!

CLUBE DOS CAFAJESTES

O filme conta a história de dois calouros de faculdade, que entram para a pior fraternidade do campus, e que passam a levar uma vida repleta de viagens, piadas e festas.

Aqui os membros da fraternidade se uniram à Comissão dos Direitos Humanos, peitaram a justiça e conseguiram fazer uma “vistoria” na cela do diretor do clube. Não consta que depois disso tenham visitado outras celas, ou hospitais públicos, UPAS, escolas onde o teto cai sobre as crianças, ou que tenham passeado pelas “marginais” dos córregos de esgoto, que correm nas periferias.

SINDICATO DE LADRÕES

Esse nem vou comentar porque já passou há mais de 10 dias. Essa versão longa metragem, começou a ser exibida em São Bernardo do Campo, no dia seis de abril passado, às 18:00hs de uma sexta-feira, e só terminou no dia seguinte, no começo da noite de sábado, com o nosso Marlon Brando tupiniquim entrando num teco-teco rumo a Curitiba!

THE END!
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Puro talento marca obra do mestre Argemiro Saviolli

Ainda menino ele ganhava alguns trocados pintando os trabalhos escolares de outras crianças

Teatro jundiaiense tem atrações no meio de semana

Cláudio de Albuquerque traz o monólogo “Casa Poiesis”, entre outras boas opções

Festa da Uva fecha com as bandas Mais do Mesmo e UTI

Tem samba, pisa da uva e muitas atrações gratuitas neste domingo em Jundiaí

A pedra em cada um de nós

Por Guaraci Alvarenga
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.