Jundiaqui
Jundiaqui

Desindustrializar não é o fim

Jundiaqui
6 de outubro de 2017
Por José Renato Nalini

Fico muito preocupado quando ouço que a indústria paulista não se preparou para a 4ª Revolução Industrial e que o sucateamento é inevitável. Parece que a concepção de indústria para São Paulo contemplou a função de atender a outras empresas. Só que as novas fábricas têm plantas elaboradas no exterior e, quando buscam o Brasil, não mais São Paulo, mercado saturado, não necessitam de uma peça fabricada em nosso Estado.

Isso sinalizaria que o encerramento de atividades industriais prosseguiria até esgotamento desse nicho. Não se pensou na revolução em marcha, que extinguiu profissões e mudou inteiramente a vida e o pensar humano nas últimas décadas?

Mas ao ler o livro “O futuro da indústria no Brasil – desindustrialização em debate”, coordenado por Edmar Bacha e Mônica de Bolle, da Civilização Brasileira, recobrei um pouco o ânimo. É óbvio que desde 2010 a produção manufatureira doméstica patina.

Enquanto a indústria mirrava, o setor de serviços cresceu. Há mesmo uma eficiência econômica na desindustrialização. A indústria de transformação, enquanto a tradicional murchava, cresceu 1,9%. A extrativa avançou 4,7% e a agropecuária 3,5%.

O urgente é se reinventar. Precisamos investir mais em produtividade, sem acabar com o meio ambiente. Precisamos fornecer aos nossos jovens possibilidade para criação de soluções a problemas pequenos e triviais, mas que continuam a incomodar. Exemplo: todos produzimos mais lixo do que necessário. Se aproveitássemos, geraríamos uma economia considerável.

Muitas profissões desaparecerão no futuro próximo. Entretanto, é preciso oferecer às novas gerações possibilidade de subsistir dignamente fazendo coisas prazerosas. O turismo é algo que pode ser um fator de desenvolvimento se levado a sério.

Para isso é preciso recompor nossas paisagens e criar guias acolhedores. Muitas outras ideias podem surgir na mocidade criativa e desafiada a repensar este País que tem tudo para dar certo.

José Renato Nalini é secretário da Educação do Estado de São Paulo

Jundiaqui
Você vai
gostar de

Sístole e Diástole

Pelo Dr. Didi

Daniela da Camara ajuda a pensar em “Cidades de Pedestres”

Ex-secretária de Planejamento escreve sobre urbanismo caminhável em Jundiaí

Puro talento marca obra do mestre Argemiro Saviolli

Ainda menino ele ganhava alguns trocados pintando os trabalhos escolares de outras crianças

Kekerê faz de seu domingão um esquenta

Com ingressos limitados, bloco afro se apresenta neste domingo (21), na Feira LE CHEF a Pé O Bloco Afro Kekerê já se prepara para a festança do Ca [ ... ]
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.