Jundiaqui
Jundiaqui

Nem todo super-herói tem capa

Jundiaqui
30 de janeiro de 2018
Por Kelly Galbieri

“Nem todo super-herói tem capa!” Ouvi esta frase da minha filha mais nova. E foi em um contexto interessante. Ela foi para casa com pouquíssimo combustível em seu carro e, no dia seguinte, achou que não conseguiria chegar até o posto (e provavelmente não conseguiria mesmo). Foi então que me pediu para ir dirigindo seu carro e fazer “milagre” com o que restava de álcool do tanque. Ela foi guiando o meu carro e, quando chegamos no posto, ela, aliviada, me olhou com um sorriso lindo e disse a frase acima.

Achei tão fofo que entrei no meu carro e fui trabalhar com lágrimas nos olhos. Só por isso eu seria uma super-heroína? E eu que nem dei importância ao seu pedido quando feito... levei seu carro tão sem pretensões... Já fiz tantas outras coisas enquanto mãe que achei “demais” (rs) e ela e sua irmã nem ligaram.

Acho que estou ficando muito sentimental. Fiquei me imaginando nas lembranças e fantasias das minhas filhas. O que será que elas pensam sobre todas as vezes que estivemos juntas nas aventuras que curtimos na vida? Sobre os nossos passeios nos shoppings em São Paulo enquanto eram pequenas e íamos nos parques de diversão? Ou nos parques aquáticos e que eu dava uma “forçadinha” para que entrassem e brincassem? Claro que depois adoravam e voltavam mil vezes seguidas, mas a primeira tentativa era um parto...

E o que será que carregam de lembrança sobre a infância ao lado da mãe e do pai, hoje falecido? Alguém tão carinhoso que era.

Tudo isso me veio à mente logo cedo.

Quase todas as mães fazem concessões a vida toda para que seus filhos sejam mais felizes, abrem mão de alguns sonhos, de alguns sabores, de passeios, de amigos para que a vida familiar seja mais harmoniosa.
E como isso é bom, como vale a pena... Chegar à minha idade e ver o reconhecimento, com uma frase tão despretensiosa da minha filha, me faz pensar como fiz tudo certo. Não mudaria nada.

Sei que consegui fazer com que meus dois maiores tesouros saibam reconhecer as qualidades da mãe quando isso é importante. Porque os defeitos elas me lembram também... oh se lembram...rs. E bastante.

Então vejo que os meus super-heróis sem capas (meu pai e minha mãe) transmitiram-me os valores que também foram repassados com louvor às minhas filhas.

Só desejo que esta virtude seja uma herança que se transmita de geração em geração na minha família!

Kelly Galbieri é advogada

Jundiaqui
Você vai
gostar de

Exclusivo: Max Gehringer em Jundiaí em festa de Orlando Marciano

Jundiaiense que brilha no “Fantástico” fez prefácio de livro lançado nesta quinta

Copa Paulista fica sem o Galo, seu maior campeão

Time de Jundiaí venceu a competição três vezes e foi vetado por conta do rebaixamento

Clube da Lady em festa pelos 58 anos e com três homenagens

Noite terá agradecimentos especiais a José Renato Nalini, Miguel Haddad e Nailor Gropelo

Roberto Franco Bueno lança livro que começou a escrever em 1957

Arquiteto e um dois principais historiadores de Jundiaí traz seu olhar sobre os últimos 200 anos da cidade
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.