Jundiaqui
Jundiaqui

O que é preciso de verdade para o país

Jundiaqui
29 de março de 2018
Por Douglas Mondo



A política é altamente necessária. Todos somos seres políticos. A questão é que vivemos num momento histórico muito difícil, onde se acha que a força vai salvar o país de sua condição de relações corruptas no exercício do poder para uma saudável condição de desenvolvimento social.

O que dá certo é o desenvolvimento da educação, com conhecimento e cultura para que o povo tenha massa crítica e possa participar da vida política do país.

É isso que o povo tem que exigir, investimento fortíssimo em educação.
Que o próximo presidente, quem quer que seja, tenha isso como meta de governo: investimento em educação.

Países que fizeram isso, saíram da condição de escravos do mundo moderno pata Nações ricas e poderosos, com indústrias de ponta e exportadoras de bens de consumo e tecnologia.

Não cabe mais sermos vorazes arrecadadores tributários e péssimos prestadores de serviços para o povo.

Não cabe mais termos um excelente PIB que não volta para a população. Ele tem que garantir o desenvolvimento do país e do povo.

Não cabe mais o altíssimo nível de corrupção política em que vivemos.

Não cabe mais sermos uma economia que está entre as 10 maiores do planeta e termos um péssimo serviço de saúde para a população.

Não cabe mais vivermos em constante medo e insegurança social.

Não cabe mais matarmos quem se dispõe a investir em seu pequeno negócio e não ter futuro algum. O pequeno produtor tem que ter garantia de seu negócio e não ser morto pelo Estado.

Não podemos mais apostar no medo, ao invés de apostar na livre iniciativa de homens corajosos que se dispõem a investir em qualquer meio de produção. Há que serem estimulados e garantidos em seus investimentos.
Só tem futuro o país que acredita em seu povo e em suas iniciativas.

É preciso acreditar no país e na livre iniciativa, com um Estado mínimo que assegura garantia de sobrevivência para os mais pobres e desvalidos.

É preciso acreditar no povo e em sua capacidade de vencer os obstáculos da vida e lhe assegurar o direito à saúde, educação, moradia, transporte público e segurança pública e social. É preciso a garantia de vida digna e possível de ser vivida socialmente.

Que o próximo presidente tenha isso em mente, para o futuro saudável do país.

Douglas Mondo é advogado
Jundiaqui
Você vai
gostar de

persistência

por José Renato Forner

As novidades na Regra do Jogo funcionaram?

Por Rafael Porcari

Outras línguas na contação de histórias nas escolas

Jundiaí recebe o projeto “Eu Conto, Tu Contas – Uma viagem pela América Latina”

Inos Corradin é um brinde à criatividade

Artista que faz parte do Amigo Secreto do JundiAqui ganha homenagem da FMJ
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.