Jundiaqui
Jundiaqui

Os dois terços de nossas vidas

Jundiaqui
21 de agosto de 2017
Por Wagner Ligabó



O que faz duas pessoas passarem dois terços de suas vidas juntos? Está aí uma pergunta difícil.

Identificação, empatia, necessidade, admiração, dependência, parceria, acalanto, desejo, carinho? Todos os itens justificam.

Mas e os dissabores? Tristezas, decepções, falhas, desatenção, momentos de ira, desilusão, lágrimas, inconformismos? Todos os itens desabonam.
Fica então a pergunta: o que nos une por tanto tempo?

Como se justificativa em não desistir, perseverar ante a adversidade e resplandecer quando exposto aos raios de sol, cabe o exemplo do bambuzal, que, ao envergar até o chão ante a furiosa tormenta, não quebra. Resiste corajosamente. É seu instinto. Tem a certeza que a serenidade irá retornar.

Harmonizará em paz com seu habitat.

A resposta para um elo de tanto tempo lado a lado não se enquadra num simples acomodar-se insosso e sem motivação que o passar dos anos de convivência normalmente induz. Não. A justificativa para se estar junto de fato é a mesma da tenacidade do bambuzal que, com sua persistência, vence qualquer situação adversa à sua natureza. É necessário e intuitivo, algo inexplicável. É dependência. É metade que fecha o todo. E esta força que a tudo supera tem nome e condensa-se em substantivo e adjetivo, duas certeiras palavras: amor verdadeiro.

Amor verdadeiro à vida, amor verdadeiro ao próximo, amor verdadeiro às coisas simples, amor verdadeiro em ter fé inabalável, amor a quem se ama no real sentido do que significa amar verdadeiramente. É a identidade do bem querer que não pede licença ou perdão . Algo que não se detalha e que transpõe qualquer intolerância.

Neste 21 de agosto, minha mulher, a Gê, companheira de jornada desde nossa juventude com 20 anos, completa 64 primaveras. Sempre em agosto ela se iguala à minha idade por justos três meses (em novembro completo 65) só para mostrar que, mesmo por pouco tempo, somos reflexos um do outro, diferentes, porém iguais. E que o tempo é o mesmo para nós dois.

Somos nosso próprio tempo. Juntos há 44 anos já passamos por tudo nesta vida. E daqui seis dias completaremos 40 anos de união, bodas de esmeralda de um verde reluzente como a esperança que nos anima viver. Vencemos.

Gê, minha querida: felicidades, saúde, harmonia e vida. Amar faz bem a nós dois. Beijo carinhoso de quem tanto te quer e admira. Obrigado pela infinita compreensão e cuidado. A vida merece ser assim...

Wagner Ligabó é médico cardiologista e vereador
Jundiaqui
Você vai
gostar de

A espada da Justiça

Guaraci Alvarenga avisa: a Justiça sem a balança não poderá decidir com sabedoria e sem a espada não terá força

O real Corinthians

Por Marcel Capretz

Antônio Gallo Netto fez história atrás das câmeras

Um pouco da história do cinegrafista que registrou mais de 200 jogos do Paulista

Artistas fazem coletiva na Pinacoteca

Marco Antonio Scarelli e outros expõem suas obras a partir desta sexta
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.