Jundiaqui
Jundiaqui

Países felizes

Jundiaqui
14 de novembro de 2017
Por José Arnaldo de Oliveira

Nem Cuba, nem Miami. A mais recente edição do Relatório Mundial da Felicidade, organizado pelas Nações Unidas, mostra como líderes em sentimento da população alguns países tão diferentes como Costa Rica, Dinamarca e Cingapura.

A revista "National Geographic Brasil" mostra alguns dos motivos e vale a pena a olhada.

Na Costa Rica as montanhas impediam a existência de grandes fazendas que faziam os presidentes apoiados pelas Forças Armadas no restante da América Latina. Assim, os pequenos produtores de mentalidade independente aproveitaram o mercado internacional do café e elegeram professores para governar o país.

Em 1869, o ensino primário já era obrigatório para meninas e meninos. E já avançava o fornecimento de água potável que evitava doenças virais. Na década de 1940 foi criada a previdência e decidido o fim do Exército. E em 1961 foi aprovada a lei da assistência médica universal com foco em evitar doenças, com os agentes comunitários de saúde. E desde 1970 a expectativa de vida subiu de 66 para 80 anos.

O ambiente é bom para todos – e o cuidado com o meio ambiente é ainda melhor.

Na Dinamarca, os moradores crescem sabendo que têm direito à assistência médica, educação e uma rede de segurança financeira; as universidades são gratuitas, a licença para pais de um recém-nascido é de um ano remunerado, inclusive se forem homossexuais. As pessoas trabalham 40 horas por semana e têm cinco semanas de férias por ano. O imposto de renda é um dos mais altos do mundo, de 41% a 56%, fazendo um coletor de lixo e um médico ganharem quase a mesma coisa. Mas não se reclama disso – o tempo livre é usado para milhares de associações ou trabalhos voluntários em grupos cívicos.

Se parecem muito social-democratas para os novos reacionários do Brasil, pegue-se o caso de Cingapura. O polo capitalista teve movimento pela independência apenas em 1965 e criou leis rigorosas para crimes violentos, inclusive com punição corporal. Mas havia trabalho para qualquer um que fosse procurar – e subsídios do governo para moradia e saúde para o caso dos salários mais baixos. A habitação é também bastante garantida a todos, mas cada prédio deve seguir a composição étnica do país (percentual de chineses, malaios e indianos) para evitar guetos raciais. E as regras são conhecidas pelos 5,8 milhões de moradores para escola, emprego e sucesso financeiro. Há queixas, mas a sensação é de segurança.

No Brasil, as cidades com melhores índices apresentam uma forte atenção aos idosos – e também a crianças. Mas a maioria das cidades, assim como o país, vem arriscando um caminho oposto, com retrocessos em vez de correções de rota diante da crise.

Tudo bem, vale dizer que nesses países a corrupção e o privilégio são mais controlados.

Sem a sensação de que o país funciona para todos, aqui o efeito é o cada um por si com bodes expiratórios como as diversas minorias. Mas como uma parte da elite que já conheceu pelo menos um desses países, valeria a pena pesquisar um pouco esses outros mundos possíveis e nos modelarmos ao que há de bom por aí.

José Arnaldo de Oliveira é jornalista do site Jundiahy

Jundiaqui
Você vai
gostar de

Divino deixa o basquetebol feminino de Jundiaí, uma pena!

Luis Cláudio Tarallo conta que foram vinte tentativas frustradas de manter a equipe e se preocupa com as atletas

Mais de 40 mil atletas de 300 cidades disputam Regionais. Jundiaí, não

A campeã de 2015 e vice de 2016 não terá representantes em Sorocaba. Skate estreia

Muito bom ter amigos!

Verci Andrêo Bútalo escreve sobre esperança, após ‘a bomba que caiu na cabeça’ da direção do Grendacc

No teatro do Sesc, Jesus volta na pele de mulher transgênero

Sexta tem o monólogo “O Evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu” 
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.