Jundiaqui
Jundiaqui

República da ineficiência. Até quando?

Jundiaqui
11 de novembro de 2017
Por Nelio Fernando dos Reis


Há pouco o que comemorar neste 128º aniversário da proclamação da República. O Brasil está caminhando para o rumo errado. Precisamos de quatro brasileiros para produzir o mesmo que um americano. Essa medida de eficiência é a razão entre tudo o que se produz no país (PIB) e o número de trabalhadores com o qual o setor produtivo pode contar. Temos uma mão-de-obra menos qualificada e menos educada. Necessitamos de mais inovação. A produtividade brasileira é baixa, infelizmente.

O brasileiro ainda é menos produtivo do que o alemão, o francês, o sul-coreano, o chileno, o russo e o argentino. Brasileiro não gosta de trabalhar? Pode até não gostar, mas trabalha demais. A jornada média no Brasil é de 40,9 horas semanais, contra 38h na Alemanha e 35h na França.

Trabalhamos mais do que em países desenvolvidos. E não é de hoje. Desde a década de 1930, os EUA e a Europa Ocidental aprovaram leis fixando jornada de trabalho semanal em 40h. No Brasil a jornada de 48h, além de 12h extras autorizadas foi até 1988, quando a nova constituição alterou para 44h semanais. Contudo, ainda hoje 1 a cada 5 brasileiros vai além das 48h por semana.

Se trabalhamos mais, por que produzimos menos? Explicação simples. Nossa economia está baseada em processos produtivos ultrapassados e em setores ineficientes. A solução não é cortar direitos dos trabalhadores, mas sim investir no capital humano.

A nossa mão-de-obra estuda em média 7 anos, sem completar o ensino fundamental. Aumentar um ano na média leva quase dez anos. A maior média de escolaridade do mundo é dos EUA. São 13 anos. Segundo relatório de desenvolvimento humano das Nações Unidas (Pnud), na Argentina a média é de 10 anos e no Uruguai é de 9 anos. No caso de comparação com os Brics, o Brasil também fica atrás de Rússia e África do Sul com 12 e 10 anos, respectivamente.

A média de treinamento para qualificação que um americano recebe é de 140 horas ao ano. No Brasil, não passamos de 30 horas por ano, segundo dados da Fundação Dom Cabral. Não é culpa do trabalhador. O Brasil se acomodou com fortes ganhos de vendas em commodities e não investiu em novas formas de produzir. Aumento de eficiência depende de inovação.

Em estudo que avalia o grau de inovação, produzido pelo fórum econômico mundial, o Brasil está na 100ª posição no levantamento realizado com 128 países. Estamos ficando para trás. A falta de novos equipamentos e máquinas faz com que o país não seja capaz de competir numa economia global. A proporção de investimentos em inovação, em relação ao PIB, comparada com a de outros países nos coloca em desvantagem. Precisamos avançar muito. Coréia do Sul, EUA, Alemanha e França investem na inovação 2,8% do seu PIB, em média. Enquanto que o Brasil desembolsa parcos 1,3%. A República brasileira precisa ter um entendimento claro de que a inovação é fundamental para aumentar nossa eficiência.

Além disso, a baixa eficiência é composta por fatores institucionais e excesso de distorções. O ambiente de negócio brasileiro está entre os piores do mundo. Agências reguladoras ao sabor de políticos, burocracia associada a corrupção, estrutura tributária complexa, constantes barreiras comerciais, amplo uso de tecnologias estrangeiras, falta de proteção aos direitos de propriedade e falta de segurança jurídica nos mercados e preços compõem a lista de problemas que precisam de soluções urgentes. Sob pena de nosso posto de trabalho ficar cada vez mais precário. Some-se a isso a quantidade de empresas beneficiadas por créditos subsidiados. Subtraem recursos do Estado. Muitas vezes em setores nos quais somos poucos competitivos ou não temos o conhecimento adequado.

Enfim, o resultado é uma concentração enorme de mão-de-obra mal remunerada, em empresas pouco eficientes e em setores pouco competitivos. É sabido que muitos países estão se especializando em serviços tecnologicamente sofisticados. Geram mais riquezas. Se continuarmos assim, dificilmente teremos aumento da produtividade. A distância em relação aos países mais desenvolvidos aumentará. O orçamento do Estado será a única fonte de recursos para os cidadãos e para as empresas. A baixa eficiência produtiva faz com que “poucos tenham muito e muitos tenham pouco”. Desculpe o clichê. Sem riqueza, a pobreza aumentará. Continuaremos conhecidos como a República da ineficiência. Até quando?

Nelio Fernando dos Reis é doutor em engenharia de produção e líder de grupo de pesquisa no CNPq sobre sistemas de apoio à decisão com lógica aplicada





Jundiaqui
Você vai
gostar de

Valdomiro Manzini é pioneiro na revenda de carros

Desde os anos 70 esse ex-torneiro mecânico mantém loja rua Pirapora

Perfil falso que abalou eleição nos EUA usou foto de jundiaiense

“The New York Times” esclareceu mistério com ajuda do site “G1”

Jundiaiense Bianca Bin vai pular para horário nobre

Atriz foi escalada para a novela de Walcir Carrasco que irá substituir “A Força do Querer” na TV Globo

Pátria de chuteiras

Por Wagner Ligabó
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.