Jundiaqui
Jundiaqui

Solidão: desafio da longevidade

Jundiaqui
1 de fevereiro de 2018
Karina de Lima Flauzino

Nos dias de hoje a solidão é considerada uma epidemia oculta, ainda pouco investigada por profissionais e de grande influência na qualidade de vida das pessoas.

A experiência da solidão pode acometer pessoas de qualquer faixa etária, mas os idosos são mais propensos a serem solitários, pois a fase da velhice é marcada por transformações e marcadores, podendo a solidão ser vivenciada nas situações de finitude, na perda de familiares e amigos, no afastamento da rotina do trabalho, nas mudanças na imagem corporal, na perda da independência e entre outras.

A presença de familiares é considerada um fator de proteção para o sentimento da solidão em idosos, no entanto, é possível que os idosos estejam se sentindo solitários mesmo residindo com suas próprias famílias.

Em uma pesquisa realizada no Centro de Referência de Geriatria e Gerontologia da Universidade Federal Fluminense, dos 85% dos idosos entrevistados que não moravam sozinhos, 24% declararam se sentirem solitários, e deste total 88% não saem de casa ou participam de grupos.

Os dados refletem outra preocupação: os idosos que residem sozinhos, distantes dos vínculos afetivos e emocionais. A solidão pode estar relacionada ao luto, abandono, depressão e isolamento social, sendo inclusive fator de risco para doenças crônicas.

Neste sentido, a solidão é um dos temas centrais na discussão da longevidade. Apesar das grandes transformações na comunicação, a facilidade da tecnologia impõe seus desafios: de um lado tem-se a proximidade de contato, por outro a presença física está cada vez mais distante, e nada a substitui. Com famílias cada vez mais nucleadas, com um filho ou nenhum, as pessoas terão que buscar novas alternativas de ampliar suas relações, não deixando espaço para a solidão.

Os estudos já comprovam que a participação em grupos de convivência favorece a saúde e a melhora na qualidade de vida, por meio de atividades educacionais, sociais ou culturais. A participação em grupos gera uma ajuda mútua entre os membros e a experiência da amizade pode resultar consequências positivas, relações mais significativas e satisfatórias. O mais importante é a qualidade das relações que se tem com as pessoas, sendo membros familiares ou não.

Considerando a solidão como uma questão de saúde pública, o Reino Unido criou uma ação inédita no início deste ano: o Ministério da Solidão, com o intuito de efetivar ações preventivas para acolher idosos vulneráveis à depressão e ao suicídio. No país, são 09 milhões de pessoas acometidas pela epidemia oculta, sendo que o debate sobre a solidão já vem ocorrendo há algum tempo. A ação britânica da primeira ministra Theresa May também alertou o mundo sobre os fatores de risco ou desencadeantes do suicídio em idosos, sendo a solidão um deles.

No Brasil, o crescente número de idosos somados à população total a cada ano também impulsionará o debate sobre o tema, e sobre tantos outros relacionados ao envelhecimento. As iniciativas políticas de prevenção ao isolamento e de incentivo ao engajamento social ainda são incipientes e deverão ser fortalecidas pelos órgãos públicos e iniciativas privadas. Os sentimentos de tristeza e de solidão relatados pelos idosos não devem ser ignorados, merecem atenção dos familiares e profissionais.

FONTE:
LOPES, R.F. LOPES, M.T. CÂMARA, V.D. Entendendo a solidão do idoso. RBCEH, Passo Fundo, v. 6, n. 3, p. 373-381, set./dez. 2009.
CARMONA, C.F. COUTO, V.V.D. SCORSOLINI-COMIN, F. A experiência de solidão e a rede de apoio social de idosas. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 19, n. 4 p. 681-691, out./dez. 2014.

Karina de Lima Flauzino é bacharelada em Gerontologia pela USP e coordena o CELETI – Centro de Educação, Lazer e Entretenimento para a Terceira Idade em Jundiaí.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Memórias Póstumas de Dick Tracy

Por Lucinha Andrade Gomes

Vacina contra febre amarela deixa de ser exigência no Clube Jundiaiense

Depois de mais de 70 dias, não é mais necessário apresentar comprovante de vacinação para entrar na sede de campo

TVTEC abre inscrição para 60 vagas em três cursos na segunda

As ofertas são para formar assistentes de produção e editor de vídeos para redes sociais

“Dégradé” reflete Isolamento imposto aos palestinos pelos árabes

E isso dentro de um salão de beleza, onde um grupo de mulheres acaba preso e diverge sobre o que vê do lado de fora
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.