Jundiaqui
Jundiaqui

Viajar é o lema da minha vida

Jundiaqui
30 de setembro de 2017
Por Lúcia Helena Andrade Gomes

Viajar é o lema da minha vida! Tenho outros, obviamente, mas este é um ícone, desde a adolescência.

Nem sempre foi fácil, porque viajar na década de 70 para o exterior era uma aventura reservada para poucos. Mas tive a felicidade de visitar várias cidades amadas pelos turistas, como Nova York, Istambul, Berlim, Paris, Tokyo e Moscou, entre outras.

Chicago estava sempre na conexão, mas nada além disso! Agora estive lá e confesso que fiquei apaixonada! Trata se de uma cidade democrática, criativa, multicultural; a arte, a arquitetura e o esporte são expressivos e atraem milhares de turistas-fãs.



Ao visitar o Museu Histórico de Chicago você tem uma visão ampla de como as coisas aconteceram, as crises que foram enfrentadas, as gangues nas ruas, a luta pela liberação da mafia da bebida alcoólica, a luta também árdua pela igualdade de raças e gênero, enfim, o desenvolvimento todo. E tem a presença do presidente Abrahan Lincoln, que atuava como advogado em Chicago.

Chicago é a cidade da esperança para muitos imigrantes. Foi ali que Hugh Hefner instalou o primeiro clube da "Playboy".

Você caminha à beira do Michigan, que lembra mais mar do que propriamente rio, e inspira felicidade!



As ruas limpas, o transporte público excelente, o comércio agitado...



Sem falar do excelente cachorro quente, ainda melhor, na minha avaliação, do aquele que tem Nova York.

À noite os teatros lembram a Broadway e os bares de jazz são imperdíveis! A diversidade cultural e étnica lembra o Brasil. Os imigrantes invadiram Chicago e o espanhol inunda o contexto social.

Ao respirar este ar inovador, sei que as flores têm espinhos e as diferenças emergem dia a dia em busca de consolidar forças e espaços, mas fica claro que os imigrantes ajudaram a construir Chicago, cidade destaque no país que garante a todos os direitos civis e a liberdade individual.

Aqui vale um aprofundamento sobre a Constituição Americana. Ela prevê uma sociedade livre para todos, independente de raça, credo ou sexo. É bom lembrar disso em um momento em que todas as lutas travadas na história pela igualdade me parecem questionadas, atualmente, por certos movimentos sociais assustadoramente discriminatórios - estamos sempre enfocando as mesmas e antigas questões que já deveriam ter sido superadas pela humanidade. Flash back do horror?



Voltando para as flores, a Chicago, ao Lake Michigan e ao Andys Jazz Bar, a questão é a seguinte: será possível não se apaixonar?



Lúcia Helena Andrade Gomes é advogada, professora e presidente do Clube da Lady
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Jundiaí será sede de um dos 32 grupos da Copa SP Júnior

Bola vai rolar em 31 cidades do Estado de São Paulo, com recorde de 128 times

Leandrinho: um pulo dos Estados Unidos para Jundiaí

Veio a convite da namorada Talita Rocca. Coluna traz ainda Gebram, Théo e até o Batman

O Juiz

Dr. Didi lamenta não ter ouvido panelaços nas ruas ao invés do tilintar de brindes em Brasília

Agenda, caderno e outros trabalhos manuais à venda no Maxi

São feitos em papel e toda a renda vai para a Fundação Cintra Gordinho
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.