Jundiaqui
Jundiaqui

Viajar é o lema da minha vida

Jundiaqui
30 de setembro de 2017
Por Lúcia Helena Andrade Gomes

Viajar é o lema da minha vida! Tenho outros, obviamente, mas este é um ícone, desde a adolescência.

Nem sempre foi fácil, porque viajar na década de 70 para o exterior era uma aventura reservada para poucos. Mas tive a felicidade de visitar várias cidades amadas pelos turistas, como Nova York, Istambul, Berlim, Paris, Tokyo e Moscou, entre outras.

Chicago estava sempre na conexão, mas nada além disso! Agora estive lá e confesso que fiquei apaixonada! Trata se de uma cidade democrática, criativa, multicultural; a arte, a arquitetura e o esporte são expressivos e atraem milhares de turistas-fãs.



Ao visitar o Museu Histórico de Chicago você tem uma visão ampla de como as coisas aconteceram, as crises que foram enfrentadas, as gangues nas ruas, a luta pela liberação da mafia da bebida alcoólica, a luta também árdua pela igualdade de raças e gênero, enfim, o desenvolvimento todo. E tem a presença do presidente Abrahan Lincoln, que atuava como advogado em Chicago.

Chicago é a cidade da esperança para muitos imigrantes. Foi ali que Hugh Hefner instalou o primeiro clube da "Playboy".

Você caminha à beira do Michigan, que lembra mais mar do que propriamente rio, e inspira felicidade!



As ruas limpas, o transporte público excelente, o comércio agitado...



Sem falar do excelente cachorro quente, ainda melhor, na minha avaliação, do aquele que tem Nova York.

À noite os teatros lembram a Broadway e os bares de jazz são imperdíveis! A diversidade cultural e étnica lembra o Brasil. Os imigrantes invadiram Chicago e o espanhol inunda o contexto social.

Ao respirar este ar inovador, sei que as flores têm espinhos e as diferenças emergem dia a dia em busca de consolidar forças e espaços, mas fica claro que os imigrantes ajudaram a construir Chicago, cidade destaque no país que garante a todos os direitos civis e a liberdade individual.

Aqui vale um aprofundamento sobre a Constituição Americana. Ela prevê uma sociedade livre para todos, independente de raça, credo ou sexo. É bom lembrar disso em um momento em que todas as lutas travadas na história pela igualdade me parecem questionadas, atualmente, por certos movimentos sociais assustadoramente discriminatórios - estamos sempre enfocando as mesmas e antigas questões que já deveriam ter sido superadas pela humanidade. Flash back do horror?



Voltando para as flores, a Chicago, ao Lake Michigan e ao Andys Jazz Bar, a questão é a seguinte: será possível não se apaixonar?



Lúcia Helena Andrade Gomes é advogada, professora e presidente do Clube da Lady
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Le Chef a Pé troca de comando: sai Natália e entra Kaio Wilmers

Criadora da feira gastronômica anuncia pelo Facebook que transferiu 100% do negócio

Diário de bordo parte 1

Como um museu pode mudar radicalmente uma cidade, conta Cláudia Bergamasco

DIA DA MULHER \ Cristina Harumi, amiga da onça que merece respeito

Coordenadora da Mata Ciliar defende bravamente os animais silvestres

Orquestra: do Polytheama para igrejas no Varjão e Jardim do Lago

Serão três apresentações em quatro dias, uma no teatro e duas em paróquias
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.