Jundiaqui
Jundiaqui

Festa do Celmi espalha solidariedade no Casa Cica

Jundiaqui
9 de novembro de 2019
Com convites esgotados, encontro arrecadou dinheiro para Julio Montheiro

José Arnaldo de Oliveira

Com casa lotada, o evento “Luz e Memória” marcou a tarde da sexta-feira (8) com uma mistura de festa e solidariedade. Organizado pelo Celmi – Centro de Educação e Lazer para Melhor Idade - em apoio ao fotógrafo Julio Montheiro, reuniu mais de 350 pessoas no Casa Cica Bar e Cozinha e contou com show voluntário da banda A Kripta.

O momento mais emocionante ocorreu na chegada do homenageado, que foi vítima de uma série de AVCs, em meio a um mar de aplausos (muitos são seus ex-alunos do curso de fotografia no próprio Celmi).

Na reta final para o ano de seu 20º aniversário, o Celmi reforçou o seu foco no convívio qualificado como eixo comum das muitas atividades e projetos.
“Nossa missão é fazer essa diferença. Os convites acabaram porque o local não comportava mais pessoas”, afirmou a gestora e psicopedagoga Orlinda Silva.

Os músicos de A Kripta – Dalmo Gatti, Eduardo Calasans e Paulo Penteado – tocaram de clássicos do pop setentista como Procol Harum a sambões de Carnaval. Tocando apenas voluntariamente, a banda faz parte da história musical da cidade e esteve nas passeatas que ajudaram a salvar a Serra do Japi, por exemplo.

E a gastronomia da Casa Cica garantiu o “brunch”.

Ao enviar vídeo para a família em São Paulo, Fábio Ota resumiu o evento como emocionante - ele que entrou na roda de samba e fez bonito. Com a International School of Games, que chegou à final de start ups da Band, é parceiro do Celmi inclusive em projeto apoiado pela Fapesp.

O vice-prefeito de Jundiaí, Antonio de Pádua Pacheco, passou pelo local e destacou que esse tipo de trabalho gera bem estar e reduz os problemas de saúde na terceira idade. Outras personalidades como a ex-primeira dama Marialice Fossen também participaram.

Para Nailor Gropelo, presidente do Clube da Lady, iniciativas desse tipo mostram que mesmo com crises Jundiaí segue sendo solidária. E a psicóloga Elaine Matias foi lembrada por ter levado a turma de uma aula no campo de memória à clínica onde um dos participantes foi internado para tratamento. “A solidariedade é uma energia do bem”.

Muitas pessoas destacaram o papel do convívio de adultos ou idosos na superação de problemas ou traumas. “É fundamental, porque muitas vezes os desafios são imensos”, reflete a professora Gicélia Savieto. Um dos companheiros de infância do homenageado, o agente de turismo de veteranos Valdir Linardi, reforçou a imprevisibilidade.

Pela Câmara, também passou pelo local o vereador Albino.

A civilidade entre as pessoas é um valor a ser mais desenvolvido e inspirado nos italianos, opinou Jeanette Gut. Também foi algo apontado por Ana Cândida – o social e o solidário podem e devem estar sempre juntos.
A tarde chuvosa não poderia ter sido mais renovadora de esperanças.

Foram feitas três homenagens na tarde festiva, com entrega de placas para A Kripta, a Ana Crsitina Ferraz pelo Casa Cica e a Edu Cerioni, editor do JundiAqui e parceiro de divulgação do “Luz e Memória”.

Todos receberam na saída da festa um exemplar do JundiAqui em Revista -  "Um Século de Curiosidades", que destaca em suas páginas a história do Celmi, entre tantas outras.

Confira mais de 300 fotos da festa

Jundiaqui
Você vai
gostar de

Sábado é dia de fazer ‘bunekas’ em Jundiaí para crianças da África

Projeto que leva bonecas negras para crianças carentes africanas tem oficina 

Luana nos leva ao Marrocos junto com o filho e ator Gianlucca Mauad

Os dois acabam de voltar de viagem; o menino foi gravar cenas para a novela “Jezabel”

Aniversário do dono do boteco é trabalhando e rodeado de amigos

Dori Natura festejou com muito som seu niver nesta quinta-feira

Desindustrializar não é o fim

Por José Renato Nalini
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.