Jundiaqui
Jundiaqui

Fica Tite

Jundiaqui
18 de novembro de 2019
Por Marcel Capretz

Tite é o melhor técnico nascido no Brasil. Essa frase é simples, clara, objetiva e carrega toda a minha opinião. Mas falar sobre quem ocupa o cargo de técnico da seleção brasileira é sempre algo complexo, vale desdobrarmos essa afirmação em vários parágrafos...

Meu sonho é ver um treinador estrangeiro na seleção brasileira. Um que tenha conceitos claros de jogo e metodologia de treinamento para implementa-los. Como sei que a CBF jamais contrataria um profissional de fora para esse cargo, com medo da crítica de alguns poucos que ainda acham que não temos que aprender com quem vem de fora, tenho que me ater aos profissionais brasileiros. E dentre eles Tite é o melhor.

É evidente que Tite tem dificuldades para organizar bons ataques. Sua maior fraqueza como profissional sempre foi a fase ofensiva. A seleção brasileira carece de conceitos coletivos bem ajustados. Os melhores momentos desde quando Tite assumiu foram muito mais na base da individualidade do que de algo mais conceitual.

Agora lanço a pergunta a vocês: se não for Tite, quem será o técnico da seleção brasileira? Os mais vitoriosos dos últimos anos no cenário nacional foram Renato Gaúcho e Fábio Carille, mas ambos terminam 2019 de uma maneira melancólica. Renato Gaúcho gosta dos méritos das vitórias, mas tem as desculpas prontas quando perde. Já Carille demonstrou uma imensa falta de inteligência emocional e comunicação assertiva nessa segunda passagem pelo Corinthians.

Para apontarmos um problema temos que dar no mínimo uma solução. Reconheço as limitações de Tite. Mas caso ele saia teríamos algum outro profissional do mesmo nível por aqui? Não, não temos. Então, enquanto não tivermos a cabeça aberta para receber novas ideias vindas de fora, iremos com o menos pior.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Origem e cura da peste na mitologia finlandesa

Por Luiz Haroldo Gomes de Soutello

Samba e feijoada embalam Carnaval do Tênis Clube

Sócios e convidados se deliciam com o ‘feijão maravilha’ e dançam em uma gostosa tarde de domingo

O velório era seu lar

Jundiaí lamenta a morte de Jorge Murari Filho, o Jorge Cego, que também foi cantor

“Zé Carioca”, que nasceu de inspiração em jundiaiense, ganha novas HQs

Personagem volta a ter histórias em quadrinhos produzidas no Brasil
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.