Jundiaqui
Jundiaqui

Jundiaiense Romeu Pelliciari ilustra ‘novo álbum’ da Copa 1938

Jundiaqui
1 de junho de 2018
Fãs de Curitiba lançam figurinhas impressas em papel fotográfico autoadesivo do Mundial de 1938

Edu Cerioni

Enfim, uma homenagem brilhante ao jundiaiense Romeu Pelliciari, nosso craque do Mundial de 1938. Saiu a série "Livros Ilustrados das Copas do Mundo Fifa", que são álbuns de figurinhas que também contemplam as disputas de 1930, 34, 50 e 54.



As três primeiras edições desse campeonato de seleções nunca foram editadas e agora surgem completas e feitas com capricho e qualidade. As figurinhas são impressas em papel fotográfico autoadesivo.

São álbuns que contêm um texto bem objetivo sobre a Copa do Mundo, a participação do Brasil e as fichas técnicas de todos os jogos efetuados, além dos espaços para serem coladas as figurinhas de todos os jogadores inscritos naquele Mundial, inclusive Romeu Pelliciari.

"É um trabalho inédito no mundo desportivo – um documento da mais alta importância para os colecionadores, pois são os únicos álbuns completos existentes de 1930, 34 e 38", diz o pesquisador Heriberto Ivan Machado, de 68 anos. Ele fez os álbuns junto com os também curitibanos Armando Kolbe Júnior, 52, Luís Evaristo, 52 e Rogério Michailev, 42. "Editamos também os álbuns das Copas do Mundo de 1950 e 1954 e faremos os subsequentes", avisa ele, que é  historiador oficial do Atlético-PR.

São 40 páginas por Copa, com imagens dos 22 jogadores inscritos por cada país (quando a equipe levou 22) e mais o escudo da seleção.

Romeu Pelliciari é o maior craque jundiaiense da história do futebol. Na França em 1938, marcou três gols e ajudou o Brasil a ser o terceiro colocado.

A primeira Copa do Mundo a contar com álbum de figurinhas colantes com fotos de jogadores foi a de 1950, no Brasil.

Heriberto conta que foi uma dificuldade encontrar imagens de todos e em boa qualidade para reprodução.

O álbum de cada Mundial custa R$ 260 (incluído o Correios) e vem com todas as figurinhas.

ROMEU PELLICIARI



O jundiaiense que sempre jogava de touca foi um dos maiores ídolos que a torcida do Palmeiras conheceu. Atacante e meia nascido em 26 de março de 1911 e falecido em 15 de julho de 1971, era o carrasco corintiano.

Vestiu também as camisas do São João de Jundiaí, Fluminense, Comercial de Ribeirão Preto e a da Seleção Brasileira.

Na Copa do Mundo de 1938, na França, marcou três vezes. O primeiro foi na estreia da seleção, nos 6 x 5 em cima da Polônia - jogo que foi para a prorrogação. Não fez gols nos dois duelos com a Tchecoslováquia (1 x 1 e 2 x 1, este último chamado de jogo desempate), mas deixou sua marca de artilheiro na derrota por 2 x 1 para a Itália nas semifinais. Marcou outro na decisão do terceiro lugar em cima da Suécia (4 x 2).

Contatos para compra dos álbuns: (41) 3338-4510 ou machado50h@gmail.com.

Veja também:

Três jundiaienses já foram figurinhas de Copa do Mundo

Dia do Futebol: jornalistas elegem Romeu Pelliciari como nosso craque

 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

E os bebês invadem o palco do Teatro Polytheama

Jundiaí em tempo de Semana Mundial do Aleitamento Materno

O que falar do esporte!?

Por Luis Cláudio Tarallo

Aula no Celeti: maquiagem não tem regra, mas tem técnica

Ana Lúcia Soares ensina como as mulheres podem ficar ainda mais bonitas

Fãs do Paulista e leitores do JundiAqui ganham máscaras e vinhos Dom Bosco

Confira quem são os ganhadores do sorteio da campanha “Tá na Cara que Papai é Tricolor”
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.