Jundiaqui
Jundiaqui

Outro patamar em esporte coletivo

Jundiaqui
24 de julho de 2021
Por Marcel Capretz

Contratações e reforços sempre causam impacto. A cultura do futebol brasileiro, individualista e em busca de heróis, necessita sempre de grandes personagens. Ou nem tão grandes assim, mas o que importa é ter personagem. Torcedores em geral gostam disso e dirigentes embarcam na onda para dar uma resposta a esse anseio.

Travestidas de 'oportunidade de mercado', contratações são feitas sem muito critério, muitas das vezes baseadas no passado e não no presente do jogador e muito menos observando a forma como a equipe joga e as reais carências do elenco.

O termo da moda é 'mudança de patamar'. Quando uma contratação de impacto é feita a pergunta que logo vem é: agora esse time está em 'outro patamar'?

Entendo o futebol pelo viés da complexidade. Ao invés dessa frase do patamar prefiro a "o todo é maior do que a soma das partes".

O resultado de um clube é fruto de tudo o que acontece nele. Cada departamento, como nutrição, psicologia, fisiologia, análise de desempenho etc, tem um tipo de participação no que é entregue dentro de campo. Claro que jogadores e comissão técnica têm um peso maior. Mas para a bola entrar é necessário muito mais do que bons jogadores. Ou já não vimos verdadeiras seleções de craques reunidas em um clube e um pífio desempenho dentro de campo?

A visão global e integral do jogo não nos permite cair nessa história do patamar diferente com uma ou duas contratações. Seria o mesmo que dizer: Messi não é tudo isso porque não conquista na seleção da Argentina o que ganha no Barcelona. Ou Cristiano Ronaldo já está acabado pro futebol já que na Juventus não ganhou a Champions League. Ou até mesmo que Neymar não tem bola para ser o melhor do mundo já que até aqui não conduziu o PSG a um título europeu.

Dentro de campo vale mais organização, ideias claras, conceitos bem treinados, do que simplesmente ter os melhores talentos. E fora de campo boa gestão, contas em dia, planejamento, estrutura física e recursos humanos também têm uma parcela brutal no resultado final. Tudo isso extrapola simplesmente contratar mais um jogador. Por melhor que ele seja!
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Vítima de 19 anos fez quatro testes, 3 deram negativo e o positivo só veio após a morte

Paulo Henrique de Oliveira Silva era skatista, adorava música e sonhava em ter loja de som para carros

“Bacurau” tem exibições em Jundiaí

Com ingressos esgotados em novembro, volta agora a partir de quinta

Fragmentos amorosos

Por Cláudia Bergamasco

Queridas cozinheiras

José Renato Nalini escreve sobre a saudosa dona Léta Barbaro e outras ‘mãos de fada’
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.