Jundiaqui
Jundiaqui

A pressa que mata o futebol brasileiro

Jundiaqui
30 de julho de 2019
Por Marcel Capretz

Começamos a semana tendo um novo líder do Campeonato Brasileiro. E com a chegada do Santos ao primeiro posto do Brasileirão já começamos a ouvir elogios desmedidos a equipe de Jorge Sampaoli e críticas pesadas ao Palmeiras, segundo colocado (!), e até ao Flamengo, que é o terceiro - as críticas ao time flamenguista cessaram temporariamente por conta da vitória em cima do Botafogo no domingo (28). Veja que curioso, para não falar raso e triste: com uma vitória a crítica diminui. Mas com uma derrota ela volta. Coisas do nosso futebol.

Jamais vou culpar o torcedor por nada. É ele a razão da existência dessa gigantesca indústria da bola. Mas a euforia e a crítica exagerada parte principalmente de quem está na arquibancada. Podemos questionar qual o peso nisso tudo da falta de preparo de muitos dirigentes e da cobrança da imprensa por resultados. Por isso prefiro colocar tudo junto no liquidificador e ter como fruto disso a cultura do futebol brasileiro, que glorifica e derruba tudo com uma rapidez incrível. Sem muita análise de contexto e circunstâncias.

É claro que o trabalho de Sampaoli é bom. Há uma clara intenção no jogo dele e os atletas compraram e assimilaram a ideia muito rapidamente. O Santos é o time que mais sabe usar a posse de bola no Brasil. Ela é meio para a criação de jogadas de finalização e não um fim nela mesmo. Porém eu me questiono se essa performance será sustentada quando tivermos dois jogos por semana no Brasileirão. O elenco santista é enxuto. Quando reposições forem necessárias tenho dúvidas sobre a manutenção da qualidade do jogo.

Do outro lado, o Palmeiras não era um super time quando liderava o Brasileirão com folgas e não é péssimo agora que está apenas dois pontos atrás do Santos. É evidente que a equipe palmeirense tem enfrentado problemas coletivos tanto para atacar como para defender, mas em nada justifica alguns torcedores protestarem, usando o termo "pipoqueiro" para se referir aos atletas. E sobre o Flamengo, todos sabiam que não seria fácil o começo de trabalho de um técnico estrangeiro no meio da nossa temporada, já com inúmeras decisões e pouco tempo para treinar. Ou a diretoria flamenguista não sabia o "projeto" que estava comprando?

Verdades absolutas no futebol de hoje morrem amanhã. Com apenas doze rodadas é impossível cravar, por exemplo, que o Santos será campeão. Continuo com ressalvas sobre a qualidade técnica do elenco de Vila Belmiro. Ou cravar que o castelo palmeirense já começou a desmoronar e o clube não ganhará nada neste ano. Ou então taxar como fracasso a passagem de Jorge Jesus no Flamengo caso a equipe seja eliminada da Libertadores. Não é uma questão de ficar em cima do muro. E sim entender a complexidade do jogo de futebol e ponderar que inúmeras variáveis determinam o resultado de uma partida e de um campeonato. Circunstâncias positivas e negativas não podem taxar todo um trabalho. Melhor ter cautela hoje do que rever opiniões amanhã.

Foto: Reprodução Facebook
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Retrato de 1827 é 1º da história de Jundiaí e mostra uma das nossas “Maravilhas”

A Igreja que se tornaria nossa Catedral aparece em desenho do inglês William John Burchell

A difícil arte de viver sozinho… depois dos 60

Thaty Marcondes escreve sobre o envelhecimento na cidade

Sua majestade o Concorde!!!

JundiAqui traz em todos os detalhes o carro mais espetacular que Jundiaí já fabricou

“Gênesis” estreia na TV Record com Gianlucca no elenco

Ator mirin de Jundiaí vai fazer o papel de Gerson; serão 150 capítulos a partir desta terça
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.