Jundiaqui
Jundiaqui

Jundiaí precisa de arquivo de imagens e sons

Jundiaqui
16 de agosto de 2018
Por José Arnaldo de Oliveira

Um assunto de que já falei muito, em artigos ou intervenções em conferências culturais, é a necessidade de Jundiaí contar com um arquivo de seus compositores musicais – e também de seus filmes. É um assunto de pouco apelo político porque a maioria dos próprios jundiaienses desconhece o tamanho de sua arte acumulada.

Pois não é que o tema voltou em uma palestra no sábado (11) com o especialista em musicologia Paulo Castagna, da UNESP, convidado pelo Conselho Municipal de Cultura?

Falando sobre o aspecto musical, ele mostrou que é um trabalho grande. O som não pode ser guardado diretamente, mas em suportes como a memória, a partitura, o disco em vinil de 78 ou 45 rotações, o arquivo digital em CD. E cada um deles está espalhado com pessoas, famílias, instituições, nas mais diversas condições de conservação. Falta a terceira parte, os acervos arquivísticos para as pesquisas e para a continuidade.

Mas é preciso começar por algum lugar. Em São Paulo, essa tarefa é encarada por órgãos públicos (como na parceria da Unesp com o Centro Cultural São Paulo sobre as gravações de rolo) ou por fundações privadas (como o Instituto Moreira Salles e outros). O próprio professor mostra que existem muitos exemplos (veja).

No caso de Jundiaí, assim como no cuidado com os filmes de curta ou longa metragem produzidos aqui desde pelo menos a década de 1930 (com o primeiro faroeste brasileiro), defendo muito a questão musical. Temos compositores desde o século XIX, lembro que uma parte deles reunida em 2014 no espetáculo Jundiaí In Concert, liderado pelo Coral Divino Em Canto. E gravações independentes, feitas em todos os gêneros, estão espalhadas com pessoas de todos os lados da cidade.

Muito boa a indicação do palestrante feita pelo Daniel Motta. A palestra acabou fazendo parte da programação do Mês do Patrimônio, mas extrapola este ou aquele evento. Deveria ser uma das causas importantes para todos. E começar por algum apoio institucional e por um plano organizado de metas a partir do recebimento de cópias de partituras, discos, CDs e depoimentos dispersos por toda a cidade.

Sempre foi curiosa a aparência em Jundiaí de como uma cidade extraordinária era meio que oculta por uma cidade indiferente. Não sei dizer se isso mudou muito, mas certamente tem muita gente notando a primeira situação, mesmo em uma fase complicada.

Em tempo: na imagem acima, a partitura de "Meu São Paulo", composição da autora jundiaiense Haydée Dumangin Mojola para os soldados e voluntários da cidade na Revolução de 1932.

José Arnaldo de Oliveira é sociólogo e jornalista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Davis Rodrigo é atração no Tênis Clube

Ele subiu no salto alto para abrir a Semana da Mulher nesta quinta

Plínio traduz um Brasil como ninguém

Por José Renato Forner

Fábio Zanon faz planos de lançar dois CDs por ano

Violonista jundiaiense lança nas próximas semanas o álbum que diz ser o mais leve que fez na vida

A rainha do Refogado e eu

Luiz Haroldo Gomes de Soutello
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.