Jundiaqui
Jundiaqui

Adeus ao rei das mil selfies do nosso Carnaval

Jundiaqui
11 de junho de 2020
José Carlos Monteiro Baltazar morreu aos 61 anos neste feriado de quinta

  JOSÉ CARLOS MONTEIRO BALTAZAR

*04.10.1958 +11.06.2020

Sempre com algum enfeite na cabeça, quer uma peruca black power, um chapéu com pontas e guisos, chifres, fantasiado de pierrô ou só de boné, José Carlos Monteiro Baltazar agitou o Carnaval de 2020 como poucos outros nesta cidade.

Talvez uma despedida, postou nada mais nada menos do que mil selfies em diferentes blocos de rua ou no salão do Grêmio C.P. - fiz questão de contar.

São milhares de foliões que enfeitam seu Facebook, gente de toda idade, cor, sexo, em comum esbanjando alegria ao lado desse personagem que parecia ter saído de um desenho da TV, com olhos arregalados atrás das lentes do óculos e um largo sorrio no rosto, armado apenas com o celular. Eu mesmo tive o privilégio de entrar em sua selfie pelo menos três vezes em fevereiro, tendo fotografado ele três vezes também.

Não conhecia o figura, mas não dava para ficar alheio a sua alegria de se registrar em fotos ao lado de to mundo.

Vi agora que tinha 61 anos, era solteiro e morava no Centro. E também que era - ou estava - careca, porque sua últimas selfies foram em 30 de março, com seus gatos.

Amigos dizem que sempre estava nas ruas em lutas pela defesa dos direitos humanos e era fã das mais diferentes manifestações culturais, ou seja, ia além do Carnaval. Há pouco mais sobre ele, como ter sido presidente da Comissão Municipal de Emprego e diretor do SindSerJun, o Sindicato dos Servidores de Jundiaí.

Foi velado no Adamastor Fernandes e o corpo enterrado no Cemitério Nossa Senha do Desterro nesta quinta (11).

Aqui, selfies do José Carlos Baltazar com os comandantes dos blocos, que desde já devem estar triste com sua partida. Vai fazer falta no próximo Carnaval - será que em 2021 tem desfile, o novo coronavírus permitirá?

Texto: Edu Cerioni

Jundiaqui
Você vai
gostar de

Jundiaiense Adrianinho vira comentarista da DAZN

Aos 38 anos, ele mora na Flórida; aqui, brilhou na Ponte Preta mas não vingou no Corinthians e no Flamengo

Flavinha, assim você acorda o Arthurzinho!!!

Ela ganhou toda a atenção na pré estreia de filme no Rio; ele nasceu essa semana, neto do Adelson

Charles Miller, pai do futebol, trabalhou na Santos-Jundiaí

Esse funcionário da São Paulo Railway Company é responsável por uma paixão nacional

Até fim do mês ainda tem vacina da gotinha

Jundiaí tem campanha contra a poliomielite e oferece multivacinação 
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.