Jundiaqui

Criticar é fácil

Jundiaqui
20 de junho de 2021
Por José Renato Nalini

Sempre fui favorável à crítica. Aliás, uma das funções da educação é criar uma geração crítica. As pessoas têm de ter discernimento para distinguir o bem e o mal. Têm direito a ter opinião e a externá-la. Isso é parte da espinha dorsal da concepção democrática.

Mas é impressionante a capacidade que alguns detratores têm, de apenas surrar, detonar, demolir e nada oferecer como compensação.

Penso no universo Justiça, no qual permaneci durante meio século. Acredito ter sido um profissional atípico. Nunca me recusei a fazer o mea culpa e a assumir responsabilidade por descaminhos lamentáveis.

Porém, alguns detentores de espaços privilegiados na grande mídia fazem de seu texto a concretização de um projeto de terra arrasada. Não sobra nada do edifício do sistema, notadamente em relação ao Judiciário.

Reconheço que nossa Justiça pode e deve ser melhor. Simultaneamente à animadversão de falhas, tenho procurado indicar alternativas para saná-las. Quantas vezes já não propus que o STF abandonasse a cornucópia de atribuições que o fazem negligenciar na missão precípua de sinalizar à Nação o que é ou o que não é constitucional? Tenho observado que as sessões televisionadas parecem mais servir ao exibicionismo, ao preciosismo sofisticado e no prolongamento de sessões que devem ser objetivas, incisivas, definitivas e não demonstrar desnecessária erudição de quem já tem currículo suficiente a ocupar a mais alta Magistratura brasileira.

O STF e os demais Tribunais devem levar a sério a colegialidade. Juízo monocrático é para a primeira instância. Cortes devem ser conjuntos o quão possível coesos para a definição concreta do direito. Não podem prestigiar o protagonismo individualista e narcísico.

Nunca me furtei a dizer que a eficiência é um valor republicano que foi inserto na Constituição da República, dez anos depois de promulgada a “Cidadã”, apenas com o intuito de fazer o Poder Judiciário ajustar-se ao ritmo da sociedade, o que os demais poderes já haviam iniciado em 1998.

Por isso mesmo, louvo a utilização da tecnologia disponível e ouso dizer que seria outro lamentável retrocesso voltar simplesmente à teatralização vetusta, desprezando a produtividade gerada pelo uso da internet. É um ganho que o Judiciário deveria capitalizar e oportunidade para economizar com tudo aquilo que não é essencial – grandes estruturas físicas, gabinetes, veículos, concentração de milhares de funcionários – e garantir remuneração condigna e investimento em novas e mais avançadas tecnologias.

Também tenho pregado no deserto em relação aos concursos de ingresso, que priorizam a memorização e praticamente não detectam algumas das falhas que em geral podem ocorrer – e ocorrem – por mais dotada de boas intenções que seja a Comissão “ad hoc” de “especialistas” encarregados de recrutar novos quadros.

O desapreço à ética, o menosprezo ao Código de Ética da Magistratura Nacional, tudo contribui para que alguns maus exemplos sejam utilizados para uma cruel generalização, em desprestígio de toda a função judiciária. Quase todos os magistrados brasileiros são pessoas de bem, interessados em fazer justiça, cumpridores de seus deveres, sensíveis e também incomodados com a situação de desigualdade que a pandemia escancarou.

O que se lê nos grandes jornais a respeito do Judiciário é algo que desafia o bom gosto. Nada serve, nada presta, nada se salva. A Magistratura brasileira é um coletivo repulsivo de interesseiros, de corporativistas, de ambiciosos, de arrogantes, de petulantes e de pouco afeiçoados ao trabalho.

Não é assim. Só a má-fé explica a maldade que já não é apenas tendenciosa. É a intenção de destruir, de não deixar pedra sobre pedra, de ignorar o empenho de luminares éticos que já exerceram a função judicial como sacerdócio, como um múnus sacrificial, em circunstâncias adversas e em verdadeiro quase anonimato.

O que recomendam, esses arrasadores do edifício Justiça, para que o Brasil tenha um Judiciário conforme aos padrões que eles consideram adequado? Qual é esse padrão? Qual a receita para prover o brasileiro de um Judiciário confiável? O que eles sugerem?

Quando a intenção é arruinar até os alicerces do sistema, o exagero é contraproducente. Ironizar, utilizar-se de sarcasmo, satirizar e outras estratégias análogas em nada contribuem para trazer esperança à cidadania.

É válido admoestar, delatar, divulgar o que não funciona. Mas prestaria serviço mais denso à democracia brasileira apontar soluções. Propalar que só existem desgraças obtém o descrédito e não adesão.

O Judiciário brasileiro, notadamente o paulista, não começou ontem. Os vultos heroicos que nele atuaram têm histórias que deveriam ser lembradas e cultuadas. Um libelo desapiedado sugere algo pessoal, recôndito, a ser submetido a uma terapia. Ou a uma autoanálise isenta, se for presumida a boa-fé de quem escreve com tamanha virulência.

José Renato Nalini é presidente da Academia Paulista de Letras
Você vai
gostar de

Ideb: Vasco Venchiarutti é a quarta melhor de São Paulo e 14ª no Brasil

Escolas técnicas como a de Jundiaí são os grandes destaques da educação 

Trio em Transe planeja 30 anos e anuncia saída do Chupa que é de Uva

Músicos da banda focam aniversário de 2019 com festas e até lançamento de um livro

DIA DA MULHER \ Bianca Bin é dona da Globo no horário nobre

Ela é protagonista da novela “O Outro Lado do Paraíso”

No desfile da nova coleção da Di Fiori

Viviane Di Fiori comandou animada festa na sua ótica da Chácara Urbana
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.