Jundiaqui
Jundiaqui

E nas Igrejas nem um sino a badalar

Jundiaqui
20 de março de 2020
Por Guaraci Alvarenga

Raul Seixas tinha um estilo musical que era chamado de “contestador/místico.” Mas por que falar do Raul Seixas que perdemos? Quando nos deparamos com a crise mundial provocada pelo novo coronavírus, com efeitos desastrosos para a economia brasileira, surpreende-nos a letra de uma das composições deste grande artista datada da década 70, em parceria com Claudio Roberto Andrade de Azeredo, chamada "O Dia em que a Terra Parou".

Vejamos:

Foi assim/No dia em que todas as pessoas/Do planeta inteiro/Resolveram que ninguém ia sair de casa/Como que se fosse combinado em todo o planeta/Naquele dia, ninguém saiu de casa

Hoje vivemos restrição a toda aglomeração de pessoas e estão proibidos contatos pessoais com as mãos. Principalmente é exigido aos idosos o isolamento domiciliar. Como se fosse combinado em todo mundo...

O empregado não saiu pro seu trabalho/Pois sabia que o patrão também não estava lá/Dona de casa não saiu pra comprar pão/Pois sabia que o padeiro também não estava lá

Pobre do humilde trabalhador que utiliza do transporte publico, onde a aglomeração de pessoas é fato inevitável.

E o guarda não saiu para prender/Pois sabia que o ladrão, também não estava lá/E o ladrão não saiu para roubar/Pois sabia que não ia ter onde gastar

Há restrição de visitas, isolamento de presos com suspeita da doença e medidas mais rígidas de higiene. Entretanto, o que estamos assistindo é a fuga de muitos presos e outra rebeliões em penitenciárias devido ao temor  que o vírus pode causar.

E nas Igrejas nem um sino a badalar/Pois sabiam que os fiéis também não estavam lá/E os fiéis não saíram pra rezar/Pois sabiam que o padre também não estava lá

O Papa proibiu que beijassem sua mão, as procissões estão proibidas e há restrição do número de pessoas aos cultos religiosos, mas acreditem: estão vendendo gel álcool ungido e tentando fazer “cultos para a imunização.”

E o aluno não saiu para estudar/Pois sabia que o professor também não estava lá/E o professor não saiu pra lecionar/Pois sabia que não tinha mais nada pra ensinar

Há de se perguntar: como fica a merenda escolar para as crianças mais pobres?

O comandante não saiu para o quartel/Pois sabia que o soldado também não estava lá/E o soldado não saiu pra ir pra guerra/Pois sabia que o inimigo também não estava lá

O Exército brasileiro segue os protocolos do Ministério da Saúde.

E o paciente não saiu pra se tratar/Pois sabia que o doutor também não estava lá/E o doutor não saiu pra medicar/Pois sabia que não tinha mais doença para curar

A grande preocupação é que o Sistema Único de Saúde (SUS) não suporte a demanda de pacientes. O major Olímpio deu uma boa ideia aos presidentes do legislativo Rodrigo Maia e Alcolumbre: que destinem parte da verba do fundo eleitoral, dois bilhões de reais, em socorro aos Estados mais necessitados. Afinal o dinheiro é do povo a ao povo deve servir.

Essa noite, eu tive um sonho de sonhador...

Deus nos há de amparar e nos iluminar diante de tantas adversidades.

Guaraci Alvarenga é advogado / Foto: Cleber de Almeida
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Quando Raí vai cair?

Por Marcel Capretz

Ainda dá tempo de adquirir uma obra de arte e fazer solidariedade

Quadros do Amigo Secreto do JundiAqui estão em exposição para venda no Casa Cica só até 11 de março

Aquelas mulheres

Por Renata Iacovino

Mapeamento reforça debate sobre envelhecimento na cidade

Pesquisa do Instituto Envelhecer mostra desequilíbrios com o método usado de distribuição de equipamentos públicos 
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.