Jundiaqui
Jundiaqui

Escola não é prisão

Jundiaqui
29 de novembro de 2017
Por José Renato Nalini

A educação liberta. Desde a caverna de Platão, já se nutria a certeza de que as trevas da ignorância recuam quando chega o saber. E este, em regra, é atribuição da escola. Embora a família, principalmente as mães, sejam as primeiras mestras, as responsáveis pelo “currículo oculto” das boas maneiras, tenha enorme responsabilidade, é a instituição “escola” que lapida o que já deve chegar com algum conteúdo humanístico. Esse o ideal.

Nada obstante, não é incomum constatar-se o retrocesso. Alunos chegam às aulas desprovidos de educação de berço. Não cumprimentam professores e funcionários. Não se portam como pessoas polidas, cordiais, amistosas. São às vezes violentos. E chegam a depredar o ambiente que foi construído para seu uso e para melhorar o seu destino.

As nefastas ocorrências de vandalismo em escolas são frequentes. Costuma-se atribuir à poli crise brasileira esse imenso prejuízo causado à nacionalidade. Não é apenas o aspecto financeiro que está em jogo. É um patrimônio muito mais valioso, intangível e que justifica ser invocado como índice civilizatório: o respeito à coisa comum.

O prédio e equipamentos de um estabelecimento de ensino público são de todos. Só estão ali, prontos para uso, porque as pessoas pagaram seus tributos. É com o resultado da arrecadação tributária que o governo faz funcionar todas as repartições e atende a todas as demandas.

Quando é necessário reformar uma escola porque foi maltratada, destruída, incendiada, faltará recurso financeiro para outra urgência.

Melancólico o pedido de alguns educadores para que a altura dos muros seja elevada, os gradis reforçados, offendicula ameaçadora utilizada para afugentar os malfeitores.

Quantas vezes já não se repetiu que uma escola a mais representaria algumas prisões a menos? Paradoxal que se queira redesenhar a unidade escolar aproximando-a, esteticamente, de um presídio. Não é essa a educação de que o Brasil precisa.

José Renato Nalini é secretário da Educação do Estado de São Paulo
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Doces sabores

Por Nelson Manzatto

Episódio inédito do “Troca de Esposas”, da Record TV, tem jundiaiense

Sorvetão vai vivenciar rotina de família ecológica na casa de Tatiana Marigo, que vai curtir o Rio de Janeiro

A música de Áureo Cardoso na Igreja de Vila Arens

Por  Nelson Manzatto

Festa da Apoteose estica folia no Grêmio

Depois do desfile pelo Centro, muitos foliões do Refogado do Sandi foram curtir a festa no clube da Rangel
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.