Jundiaqui
Jundiaqui

“A mãe de todos os pecados é a falta de igualdade”

Jundiaqui
7 de março de 2019
Por Kelly Galbieri

Li esta frase e não consegui passar incólume. É exatamente isso. O mal do mundo é a falta de igualdade.

Estou lendo um livro da Dra. Edith Modesto, "Mãe sempre sabe?", que fala sobre a realidade vivida pelos filhos LGBTs. O que passam as crianças e os jovens quando se descobrem “diferentes” da maioria e o que fazem seus pais, como se sentem. Claro que estamos falando da realidade brasileira, mas não é tão diferente dos outros países. A cada estudo feito, notamos que é uma realidade mundial. Quando deixamos de ser iguais, sofremos algum tipo de violência.

Alguns países podem servir de exemplo a nós brasileiros, mas alguns são ainda bem piores. Basta pensarmos na dura realidade que vive a Venezuela nos dias de hoje. Enquanto a fronteira é fechada e mantimentos são incendiados, algumas pessoas têm, certamente, suas mesas fartas. Eu custo a acreditar que estas pessoas consigam colocar suas cabeças nos travesseiros e dormir.

Mas vamos lá... pensando sobre essas minorias, classifiquei algumas que me fazem refletir sempre: população de rua, pessoas com HIV/AIDS, aquelas que vivem no sistema prisional, os refugiados, a comunidade LGBT e especialmente aquela parcela (a letra T) que faz uso de hormônios e também a comunidade negra.

Claro que tantas outras desigualdades existem, mas especialmente estas têm sido alvo de estudo por parte de um grupo formado por pessoas (inclusive eu) dispostas a mudar esta realidade.

Ora, será que é tão difícil pensar que todos nós nascemos livres e iguais?

Engraçado que as pessoas não conseguem enxergar que isso é exatamente Direitos Humanos. Esta busca pela igualdade, pela tolerância, pela livre crença e religião é aquilo que as pessoas têm medo de dizer “Direitos Humanos”.

Porque erroneamente se quis incutir na cabeça das pessoas que Direitos Humanos é direito dos bandidos, “dos manos”.

Na verdade, o que se busca é uma sociedade justa e livre, com suas responsabilidades e deveres, com trabalho e remuneração, com lazer e descanso, com cultura e autoria, com segurança social, com democracia e paz.

Assim não haverá desigualdade. E então tudo melhora: a segurança, a educação, a família.

Seria utopia? Creio que não.

Em 2005 visitei a Austrália e esta era a realidade naquele país. Como era diferente da nossa. O diretor da fábrica ganhava o mesmo salário do pedreiro da mesma fábrica. Então não havia furto ou roubo naquela cidade. Parece mentira, não? As pessoas podiam sair à noite sem medo, ficar na rua até tarde, andar sozinhas...

Ah meu Brasil... quem sabe...

Já sonho com isso para a nossa Jundiaí., que é bem menorzinha. Por isso talvez a frase inicial tenha me causado tamanho impacto.

Kelly Galbieri é advogada e assessora de Políticas para Diversidade Sexual na Prefeitura de Jundiaí

 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Jundiaí anuncia 450 testes rápidos ao dia para tentar “cercar” Covid-19

Governo diz que ação vai envolver 47 pessoas para cada grupo de 1 mil habitantes

Peça lançada há 11 anos vem a Jundiaí segunda alertar sobre drogas

No elenco de “Ainda”, comentrada gratuita, está o jundiaiense Carlos Mariano

Ainda tem Carnaval rolando, pelo menos no museu

Mostra reúne fantasias, antigas fotos e recortes de jornais sobra a história do samba paulista

Escola colhe uva fina para vinho tão doce quanto as do Chile

Alunos da Etec Benedito Storani fazem colheita de inverno histórica
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.