Jundiaqui
Jundiaqui

O coronavírus, as celebrações e o segundo maior mandamento

Jundiaqui
17 de março de 2020
Por Ricardo Alexandre, jornalista e produtor cultural

Eu entendo e respeito (embora não concorde com) o sentimento de boa parte dos meu irmãos cristãos a respeito das celebrações dominicais, como se desmarcar ou alterar os chamados "cultos" fossem feridas abertas no nosso acordo de fidelidade com Deus.

Acho que há muita base teológica e bíblica para negar isso, mas, a respeito de evitar as aglomerações (e os abraços e os "beijos santos" e os apertos de mão etc) durante essa fase endêmica do coronavírus, eu queria propor um verísculo bem mais simples de entender: Mateus 22.39, aquele em que Jesus afirma que, depois de "amar a Deus sobre todas as coisas", o maior mandamento é "ame o seu próximo como a si mesmo".

Tenho tido contato em primeira mão com as resoluções dos principais hospitais de São Paulo a respeito dos movimentos de precaução e combate ao espalhamento do coronavírus e, sim, é verdade que a letalidade e o potencial contagioso dele é menor do que de outras doenças. Também é verdade que a maior parte das pessoas infectadas serão curadas - como ocorreu com o primeiro brasileiro, já declarado fora de perigo. Não são essas as questões.

Uma questão é que se trata de um vírus novo, sobre o qual pouco se sabe. Como efeito, QUALQUER PESSOA INFECTADA estará ocupando vaga, material humano e estrutural de hospitais que ainda não sabem como proceder. Se você zombar do vírus e testar Deus porque "Deus protege os seus" e se infectar por pura arrogância, estará sobrecarregando o sistema de saúde e tirando vagas de idosos e crianças com outras doenças. É o que tem acontecido na Itália, com gente morrendo de gripe comum, pneumonia ou com uma perna quebrada.

Se "amar ao próximo como a nós mesmos" faz algum sentido pra você, deixe para se expor o mínimo necessário. Parabéns às comunidades que decidirem transmitir suas celebrações apenas em "lives" pela internet e meu respeito aos que orientaram seus idosos a ficar em casa. Com mais gente fazendo testes, a curva de contágio vai subir bastante nos próximos dias. Seria uma vergonha imaginar que parte dela veio de cristãos que resolveram testar seu próprio Deus (Dt 6.16) e zombar de um vírus que tem matado ao redor do mundo.

 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Noan é Jundiaí no cinema de Los Angeles

São vários trabalhos produzidos nos Estados Unidos, um deles até exibido no Festival de Cannes francês

Duas candidatas a prefeita sem nenhum bem; Edney tem maior patrimônio

Com R$ 783 mil, Luiz Fernando é o quarto da lista entre os 13 que concorrem em novembro

Chupa dá largada ao Carnaval 2020 de cabeça feita

Festa no Yellow PubMarine foi um agito ao som da banda 1986

Natura reúne músicos da cidade em festa natalina

Cantores e instrumentistas deram um show de amizade na noite desta segunda
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.