Jundiaqui
Jundiaqui

O possível retorno às aulas

Jundiaqui
19 de agosto de 2020
Por Lucia Helena de Andrade Gomes

O país continua angustiado com a pandemia, mas esperançosos aguardamos sinais para estabilidade no crescimento do vírus e a sonhada e esperada vacina, independente de seu país de origem. Neste momento, a pergunta imposta é: devemos retornar às aulas?

Ressalto que as mudanças legislativas têm impacto direto no pedagógico, portanto o que decidirem no executivo irá diretamente refletir no cotidiano escolar.

Estamos imersos em dúvidas, um oceano quase indecifrável, considerando-se a necessidade formal de prosseguir com o ano letivo, os desejos das famílias e a segurança da saúde de todos que vivenciam a prática pedagógica: gestores, professores, alunos, funcionários e pais.

A ciência já comprovou que crianças e adolescentes podem transmitir a covid, portanto um sinal de alerta preocupante para o retorno às aulas.

A educação formal sempre retrata a desigualdade social, a pandemia deu maior visibilidade para esta realidade nefasta. Impossível imaginar como uma escola com condições precárias, com números excessivos de alunos, poderá adequar-se às normas da vigilância sanitária. Quem vive o chão da escola, sabe que há um vazio enorme entre os discursos promulgados e o contexto vivenciado.

A rede municipal tem maiores condições de atendimento, no entanto o universo diferenciado pode produzir consequências indesejadas em alguns espaços.

As escolas privadas a priori poderão atender às diretrizes, mas obviamente não poderão assegurar cem por cento de eficácia, já que lutamos contra o desconhecido.

Em uma pesquisa da "Folha de São Paulo", 79% dos brasileiros afirmam que a reabertura das escolas no país vai agravar a pandemia do novo cornonavírus.

Tenho ouvido de algumas mães o desejo de retenção dos filhos neste ano letivo, como se ele não existisse, reiniciar tudo em 2021.

Agora, pergunto: como equacionar o conflito? A educação é dever do Estado, da família e deve contar com a contribuição de toda a sociedade civil. O desejo da família deve ser priorizado ou os pais responderão pela ausência dos filhos, caso as aulas retornem sem eles? O dilema é real e atual. O que faremos?

A primeira lição é aprender a realizar coletivamente nossas ações: Estado, gestores, professores, famílias, infectologistas e alunos. As vozes devem ocupar seus espaços, neste complexo inusitado que vivenciamos. A segunda lição é retomar a cultura da aprendizagem que pode ocorrer em outros espaços, afinal a escola não é o único locus do saber, pois a cultura familiar exerce influência significativa no aprendiz.

Sabemos também que, para uma grande maioria da população, falta o básico: alimentos, rede de esgoto, acesso à saúde... e vai faltar incentivo à educação informal também.

Retomar às aulas presencias sem segurança será um grande risco à saúde de todos. Precisamos abalar as nossa convicções arraigadas de tempo escolar e preservar a saúde de todos! Os desafios são assustadores e os gestores públicos deverão, posteriormente, identificar as lacunas e dificuldades com avaliações e planejamento para a retomada da cultura do conhecimento.

Vamos respeitar o desconhecido e aprender: a vida é maior que o ano letivo!

Lucia Helena de Andrade Gomes é advogada, doutora em educação e presidente da comissão "OAB vai à Escola"
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Pochet inaugura fábrica em Jundiaí

Empresa fica no Fazenda Grande e contratou 650 funcionários

A seleção de Tite está definida faz tempo

Por Marcel Capretz

Amanhã eu morri

Por Valquíria Malagoli

Atriz do primeiro beijo na TV deixou livro em Jundiaí

Vida Alves esteve na cidade em 2014 para lançamento de biografia publicada pela Editora In House. Morreu 88 anos
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.