Jundiaqui
Jundiaqui

Pai & mestre

Jundiaqui
13 de outubro de 2017
Por José Renato Nalini

O constituinte de 1988 foi sábio ao erigir a educação em direito de todos, mas em dever do Estado e da Família, em colaboração com a Sociedade. O primeiro dever de educar é dos pais. Atrair a família para a sala de aula é receita para melhorar o desempenho dos alunos.

Escolas que dão certo convidam os pais a atuar dentro da sala de aula desde o primeiro dia do ano letivo. A participação é gratificante e os pais aprendem a ajudar a alfabetização dos filhos. Até brincando se aprende e se ensina. Depois, mostra à criança que a escola é um lugar de acolhimento. Não é um depósito onde os pais deixam os filhos para poder trabalhar.

Essa receita vale para todos os lares. Não se distingue o estamento social a que a família pertença. O envolvimento dos pais na escola dos filhos é fator de evidente melhoria no aproveitamento do aluno.

Intuitivo que os pais que leem para os filhos, verificam se fazem seus deveres de casa e comparecem às reuniões na escola, obtêm resultados melhores nas avaliações a que seus filhos são submetidos. Na verdade, a avaliação apenas reflete uma situação contextual. Não pode ser bom aluno aquele que em casa é negligenciado, tratado com menosprezo ou com déficit de carinho.

É imatura uma sociedade em que os pais abdicam do dever de educar e transferem para o governo essa missão indeclinável. A criança deve chegar à escola com o currículo “oculto” ou “implícito” bem consolidado. É a mãe a primeira mestra, aquela que inculca os bons modos, a educação de berço, a polidez, aquela que treina a espontaneidade no uso das palavras mágicas do “muito obrigado”, “por favor”, “com licença” e outras tantas.

O treino social da prole começa muito cedo. Os anos iniciais são fundamentais. Os traumas vão surgir na maturidade e muito adulto infeliz, inseguro, agressivo ou introvertido é o resultado de pais que se descuidaram daquilo que é tão natural e urgente: preparar aquele que não pediu para nascer, para ser uma pessoa o quão feliz possa vir a ser.

 José Renato Nalini é secretário da Educação do Estado de São Paulo
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Atriz do primeiro beijo na TV deixou livro em Jundiaí

Vida Alves esteve na cidade em 2014 para lançamento de biografia publicada pela Editora In House. Morreu 88 anos

Vacina contra febre amarela deixa de ser exigência no Clube Jundiaiense

Depois de mais de 70 dias, não é mais necessário apresentar comprovante de vacinação para entrar na sede de campo

Se jogue no Carnaval com Inos e fazendo o bem para muita gente

Ala solidária dentro do Refogado homenageia pintor e ainda ajuda o Grupo Faz Bem Fazer o Bem

Jundiaiense que disputa Governo do Rio se envolve em polêmicas

Vitorioso no primeiro turno, Witzel é criticado por promover “farra dos juízes”
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.