Jundiaqui
Jundiaqui

Pergunta lá no Posto Ipiranga

Jundiaqui
25 de maio de 2018
Por Vera Vaia

Ainda bem que o teclado do meu IPad não precisa de combustível pra funcionar, senão nem estaria escrevendo esse texto nessa triste quinta-feira em que o Brasil parou de vez, depois de quatro dias de greve dos caminhoneiros!

São assustadoras as notícias que circulam em todos os sites, sobre as consequências dessa paralisação!

Por falta de combustível, já não tem ônibus nas cidades, as pessoas não estão conseguindo chegar ao trabalho, as crianças já não estão indo pra escola, os carros estão parados nas garagens ou nas ruas, perto de um posto de gasolina fechado. Pelo mesmo motivo, até aviões já estão parando (menos os jatinhos particulares dos políticos, claro)!

Os produtores de leite estão jogando o produto fora por falta de transporte. Aves que abasteceriam o mercado, estão morrendo de fome por falta de ração.

As farmácias e os supermercados estão ficando desabastecidos...

E povo aqui ó, levando, como sempre!

Os políticos que já sabiam de antemão que haveria um colapso como esse, mais dia, menos dia, agora estão correndo atrás do prejuízo. E que prejuízo!

Rodrigo Maia, em plena campanha eleitoral, propôs o corte provisório do PIS/COFINS do óleo diesel, proposta essa já aprovada pela Câmara nessa ultima quarta-feira. Atitude típica de pré-candidato que quer ficar bem na fita. “Che me ne frega” se a União deixar de arrecadar mais de 11 bilhões com esses impostos, némesm? (Maia chutou que seriam três bilhões. Errou feio! O governo fala em um buraco de 11 a 14 bilhões).

É certo que não dá pra tirar a razão dos caminhoneiros que sofrem pra pagar pelo alto custo de suas viagens, aliás, todos nós estamos de saco cheio desses aumentos quase que diários dos combustíveis, mas por outro lado, uma medida “feita nas coxas”, seria a melhor saída pra a crise?

Se valer essa medida até o fim do ano, como ficarão os cofres públicos? E a hora em que parar de valer, o que vai acontecer? O Brasil vai parar de novo?
Já Marina Silva, a eterna candidata à presidência, que só sai da casca de quatro em quatro anos, criticou o presidente: “o governo precisa se antecipar aos problemas”. (Poxa! Que mulher de visão!).

De qualquer maneira, o que se constata, é que o movimento foi muito bem arquitetado, mas até o momento nenhum grupo, de direita ou de esquerda, reivindicou o ato.

Pode-se pensar que o PT tenha, depois de alguns meses, conseguido cumprir a promessa de parar o país caso Lula fosse preso, como ameaçaram seus dirigentes, Mas é difícil acreditar nisso. Se não tiveram competência à época, porque teriam agora?

Mas se não for isso, então é um movimento de direita, podemos pensar. O que também assusta! Quem estaria por trás disso?

De qualquer maneira, atitudes drásticas, vindas de qualquer lado que seja, não são um bom sinal.

O fato é que o país está vivendo, nesse momento, um caos venezuelano!
Por via das dúvidas, vou conferir meu estoque de papel higiênico!

Fui!

Foto: reprodução Facebook
Jundiaqui
Você vai
gostar de

“Sintaxe à Vontade” no pequeno sarau de Fernando Anitelli

Criador de O Teatro Mágico faz show acústico na noite de sábado em Jundiaí

Corrida entre parreirais ainda tem vaga para adultos

  Sábado e domingo plantações do Traviú vão servir de cenário para atletas

Refogado e escolas de samba balançam o Centro

Festa na Praça do Coreto chega em 200 fotos ao JundiAqui

“Você bebe e vem aquele sabor de Globo Rural”

Na Terra da Uva, rúcula é quem pode trazer prêmio ao Haules. Confira a receita finalista do concurso de caipiroska
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.