Jundiaqui
Jundiaqui

Sem título

Jundiaqui
17 de junho de 2017
Por Valquíria Malagoli



“Nascida em Jundiaí,/ hei de morrer, porém,/ sem ser de ninguém,/ nem ser só daqui/ porque se me embrenha/ nesta alma retinta/ o que, embora, eu sinta.../ foge-me qual lenha/ que queima – é carvão!/ E eu sigo sem rumo,/ sem bússola ou prumo.../ sempre em confusão!”.

Versos velhinhos.

É relendo coisas que escrevi e escrevo que penso: quem eu sou? Tudo isso, sim, eu posso, mas, não devo.

E na vida não é o dever quem comanda?

Ah, esse tal dever não é direito.

Enganaram-me. Ou isso... ou não entendi... direito.

Uma coisa é lá na infância lograrem enganar-nos. No entanto, disso a continuidade dá-me espasmos.

Queria ser tal e qual a escandalosa maioria.

Fazer o que, se nem a todos é fácil fingir alegria?

Desde que ser feliz virou ditadura, perdeu a graça.

O engraçado é que, por outro lado, se a gente anda triste, vem um e nos estilhaça.

“Um bicho é a felicidade,/ em constante cio./ Irracional, nos invade,/ e intimida a um pio./ Noutra hora é bicho indefeso,/ que se assusta à toa,/ que a tudo e em todos vai preso,/ e do chão não voa./ Metamórfica, se ausenta;/ ganha asas... Ligeira,/ vendo outro colo, se senta –/ fugaz... passageira...”.

É tanta oferta do que leva a nada que a vontade é de virar avestruz e se esconder.

“O dentro de mim/ é onde quero estar,/ mas ele é um confim.../ não o consigo achar!/ Dizem “fica perto,/ bem da vista adiante”;/ estes vão, decerto,/ de mim, mui distante.../ Saberão quem sou?/ O que quero, e penso?/ Ou são sábios, ou.../ seu juízo é infenso./ Ai, que torvelinho/ é ir, às cegas, só,/ por longo caminho,/ engolindo pó,/ sobre os próprios rastros,/ sem avistar cais,/ tendo, acima, os astros,/ à margem, chacais!”.

Caso eu me encontrasse, quem sabe?... talvez tudo ficasse mais fácil.

Ou caso todo mundo igualmente o obtivesse.

Viveríamos mais na prática, e menos na prece.

Cada um, assim na sua, menos motivo teria pra acusar o outro na rua.

Acontece que, ilusões à parte, querendo ou não, se o inferno são os outros, feliz ou infelizmente, o céu é por ali também.

Falando em outro, outro dia declamei um poema sem título.

Imbuídos de espírito solícito, amigos precavidamente convencionais aconselharam-me a nominá-lo.

“O poema sem nome” ele agora se chama.

Valquíria Malagoli é escritora e poetisa

Jundiaqui
Você vai
gostar de

“Estação Pets 2 – A Vida Secreta dos Bichos” chega ao Maxi

E os clientes ainda podem ganhar uma linda almofada com os personagens do filme

Natura tem sanduíches tão suculentos quanto saborosos

Muita gente pensa que ali é só pra beber uma cerveja e curtir som, se esquecendo que tem cada lanche…

MINUTO DE SILÊNCIO – O eterno guardião da folia

Adeus neste sábado de Daniel Nasser Zanni foi com um “até logo”, ao avisar que iria tirar um cochilo

Copa SP: Paulista pega Athletico-PR, Gama e Rio Claro

São 32 grupos e Galo vai  jogar aqui em  Jundiaí
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.