Jundiaqui

Sem título

Jundiaqui
17 de junho de 2017
Por Valquíria Malagoli



“Nascida em Jundiaí,/ hei de morrer, porém,/ sem ser de ninguém,/ nem ser só daqui/ porque se me embrenha/ nesta alma retinta/ o que, embora, eu sinta.../ foge-me qual lenha/ que queima – é carvão!/ E eu sigo sem rumo,/ sem bússola ou prumo.../ sempre em confusão!”.

Versos velhinhos.

É relendo coisas que escrevi e escrevo que penso: quem eu sou? Tudo isso, sim, eu posso, mas, não devo.

E na vida não é o dever quem comanda?

Ah, esse tal dever não é direito.

Enganaram-me. Ou isso... ou não entendi... direito.

Uma coisa é lá na infância lograrem enganar-nos. No entanto, disso a continuidade dá-me espasmos.

Queria ser tal e qual a escandalosa maioria.

Fazer o que, se nem a todos é fácil fingir alegria?

Desde que ser feliz virou ditadura, perdeu a graça.

O engraçado é que, por outro lado, se a gente anda triste, vem um e nos estilhaça.

“Um bicho é a felicidade,/ em constante cio./ Irracional, nos invade,/ e intimida a um pio./ Noutra hora é bicho indefeso,/ que se assusta à toa,/ que a tudo e em todos vai preso,/ e do chão não voa./ Metamórfica, se ausenta;/ ganha asas... Ligeira,/ vendo outro colo, se senta –/ fugaz... passageira...”.

É tanta oferta do que leva a nada que a vontade é de virar avestruz e se esconder.

“O dentro de mim/ é onde quero estar,/ mas ele é um confim.../ não o consigo achar!/ Dizem “fica perto,/ bem da vista adiante”;/ estes vão, decerto,/ de mim, mui distante.../ Saberão quem sou?/ O que quero, e penso?/ Ou são sábios, ou.../ seu juízo é infenso./ Ai, que torvelinho/ é ir, às cegas, só,/ por longo caminho,/ engolindo pó,/ sobre os próprios rastros,/ sem avistar cais,/ tendo, acima, os astros,/ à margem, chacais!”.

Caso eu me encontrasse, quem sabe?... talvez tudo ficasse mais fácil.

Ou caso todo mundo igualmente o obtivesse.

Viveríamos mais na prática, e menos na prece.

Cada um, assim na sua, menos motivo teria pra acusar o outro na rua.

Acontece que, ilusões à parte, querendo ou não, se o inferno são os outros, feliz ou infelizmente, o céu é por ali também.

Falando em outro, outro dia declamei um poema sem título.

Imbuídos de espírito solícito, amigos precavidamente convencionais aconselharam-me a nominá-lo.

“O poema sem nome” ele agora se chama.

Valquíria Malagoli é escritora e poetisa

Você vai
gostar de

Isolamento em Jundiaí se mantém numa faixa bem abaixo do estadual

Média de 30%, dez pontos percentuais a menos do que a paulista, é realidade há meses

Samu soma mais de 800 atendimentos pela Covid-19 desde 13 de março

Média diária vem subindo bastante e na última semana chega a 20 ocorrências

O caos do fim de governo

Por José Arnaldo de Oliveira

Clube da Lady festeja Dia da Avó com chá da tarde

Vai ser neste dia 26 de julho, no Quality Hotel de Jundiaí e vai ajudar a Casa Transitória
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.