Jundiaqui
Jundiaqui

Conversa Ribeira, do jundiaiense Daniel Muller, lança terceiro álbum

Jundiaqui
28 de novembro de 2019
"Do Verbo Chão" reinventa o cancioneiro caipira tradicional

Em "Do Verbo Chão", o Conversa Ribeira – trio formado por Andrea dos Guimarães, João Paulo Amaral e o jundiaiense Daniel Muller no piano ou acordeão - tece um desdobramento singular da música caipira. Cultiva, ao mesmo tempo, o vínculo essencial com essa tradição e a liberdade de recriá-la em novas concepções de arranjo e interpretação. Seus integrantes elaboram um trabalho repleto de encantamento com a riqueza que vislumbram no repertório clássico caipira, tanto no que se refere aos conteúdos musicais quanto à experiência humana.

Depois de 17 anos de sua formação, o trio segue realizando uma meticulosa e entusiasmada pesquisa, que busca trazer à superfície pérolas criadas por grandes autores da história da música caipira.

O novo álbum revela “Pé de ipê”, toada de Tonico, as modas de viola “Gostei da morena”, de Raul Torres, “Herói sem medalha”, de Sulino e “Moda da Onça”, canção de domínio público que Inezita Barroso recolheu em Itapecerica da Serra, na década de 40. E o olhar retrospectivo não se dirige apenas aos pioneiros que definiram a abrangência dessa tradição. Duas composições de Daniel Muller, dentre elas, “Cururu Mitológico”, baseada em extensa pesquisa sobre mitologias indígenas brasileiras e, ainda, obras de autores que não restringem sua produção à música regional, mas cuja sensibilidade tangencia o Brasil profundo, também são contempladas. Assim, integram o repertório “Atrás poeira”, de Ivan Lins e Vitor Martins, “Folia”, de Lourenço Baeta e Xico Chaves, e “Olho d’água”, de Paulo Jobim e Ronaldo Bastos.

Ao lançar o terceiro álbum, o premiado trio manifesta, mais uma vez, a necessidade de preservar a tradição sem tratá-la como peça de museu, mas como um processo cultural dinâmico.

O trio já percorreu o país e o exterior - representou o Brasil em festivais no México e em Portugal (Festival Ollin Kan de Culturas de Resistência). Após lançar seu 1º CD em 2007, foi selecionado no Projeto Pixinguinha (FUNARTE, 2007) e no programa Rumos Itaú Cultural (2008). Recebeu, em 2011, o prêmio Inovação do Festival Voa Viola e, em 2014, o prêmio Cata-vento (Rádio Cultura AM) de Melhor Grupo de Música Raiz.

Em 2012, dividiu o palco com a Orquestra Municipal de Jundiaí , criando arranjos para incorporar a orquestra de cordas à sua concepção peculiar da música caipira, e com a Orquestra Sinfônica de Sorocaba. O 2º CD, “Águas Memórias”, foi lançado em 2013. Em 2017, voltaram ao palco da Orquestra Municipal de Jundiaí, ao lado de Renato Teixeira. Ao longo de sua trajetória, o trio apresentou-se ao lado de Guinga, Inezita Barroso, Mônica Salmaso e Paulo Freire.

Este terceiro álbum foi gravado com recursos próprios e viabilizado por meio de uma campanha de financiamento coletivo (Catarse), com a contribuição de mais de 220 pessoas. O show de lançamento aconteceu no Itaú Cultural dia 17 passado.

O álbum completo já está disponível nas plataformas digitais - confira.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

A partir de terça tem brincadeiras no Sesc

  Programação vai até 2 de junho com exposição de álbuns de famílias de Jundiaí

Um homem de fé

Por Guaraci Alvarenga

Soufflé au fromage

Por Paulo de Luna

Celular em sala de aula

Por José Renato Nalini
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.