Jundiaqui
Jundiaqui

Dona Idelma Bulhões lança seu primeiro livro aos 90 anos

Jundiaqui
23 de fevereiro de 2018
"Caminhos da Saudade" traz poesias que emocionam. Autora também fez o desenho da capa

Edu Cerioni

Matas, nascentes, quedas d'água, flores, pássaros, animais e as cores do céu e da terra inspiram "Caminhos da Saudade", livro de estreia de Idelma Bulhões. O amor também está no cerne das poesias dessa senhora de 90 anos pronta a mexer com nosso entendimento sentimental.

Com conteúdo adulto e ilustrações infantis, "Caminhos da Saudade" vem para mostrar que "a vida fecha um ciclo", como diz a autora.

Começa por uma pequena mudinha, que vai dando galhos ao mesmo tempo em que as páginas avançam e nelas as poesias se sucedem até o final com a árvore da vida, onde todos os animais encontrados pelo caminho se reúnem.Suas poesias são únicas tanto quanto a resposta de cada leitor, mas em comum todos vão se emocionar com a obra dessa senhora amena, serena e feliz que escolheu Jundiaí para viver há dez anos.

A capa vale por si mesma. Um desenho que Idelma fez na infância e que ganhou um tratamento especial pelas mãos de Renato Martins Zacarias, responsável pelas ilustrações do livro.

Renato dá aulas na Arroyo Cursos de Desenho, escola do casal Osmar Arroyo e Ana Beatriz, filha da autora. Beatriz é quem fez o prefácio em que traduz bem a idea da obra: quem disse que a saudade representa somente a tristeza?

Idelma nasceu em Uberaba, Minas Gerais, depois veio para São Paulo, morando em Guaíra e Colina, onde teve um cartório. Foi nesta última cidade que conheceu e se tornou amiga do escritor Augusto Cury - que já recebeu seu exemplar pelo Correio de "Caminhos da Saudade", publicação da Editora In House.

Na cidade, muitos amigos estão recebendo a obra das mãos da autora, como o dentista Gustavo Brunherotto.

O livro custa R$ 50,00 e pode ser encontrado na Livraria Leitura, no Maxi Shopping.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Por José Renato Forner

Gatos Gordos comemora 1 ano na praça, fazendo palhaçada

Dia do Circo, nesta terça-feira, tem várias apresentações no Centro

DIA DA MULHER \ Ariadne Gattolini virou notícia

Jornalista se tornou editora-chefe do jornal em que começou como ‘foca’

O ponto

Um ponto final significaria o fim de tudo ou seria só um acidente de digitação, pergunta Cláudia Bergamasco
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.