Jundiaqui
Jundiaqui

Minuto de Silêncio: Vinícius Margiota vivia a 300 por hora

Jundiaqui
17 de abril de 2019
Piloto que morreu aos 23 anos já tinha acelerado Porsche e outras máquinas em pistas dentro e fora do Brasil

Edu Cerioni

A vida passou rápido para Vinícius Margiota Fernandes, rápido demais. O piloto de corridas de Jundiaí morreu na madrugada desta quarta-feira (17) aos 23 anos de idade. Um acidente em que estava na contramão lhe tirou a vida instantaneamente.

Vini, como era chamado por amigos como Guilherme Salas, estava fora do automobilismo este ano, bem diferente das últimas temporadas, quando teve a chance de pilotar em diversos autódromos e com belas máquinas da categoria turismo, aquela de carros de rua que recebem preparação especial para as pistas e que podem ir além dos 300 km/h. Acelerou, por exemplo, um Porsche 991 GT CUP em Miami, nos Estados Unidos (carro 277 na foto abaixo).



Em 2016, foi campeão na Sprint Race GP e em 2017 disputou o título até o final, com cinco pódios, sendo uma vitória. Em 2018 deu um salto para a Stock Car Light e conseguiu dois pódios, segundo colocado nas etapas de Velo Città, na Argentina, e Londrina, no Paraná (abaixo, o primeiro à esquerda).

A realização desse sonho foi assim dividida pela mãe, Vanessa, com seus amigos do Facebook há seis meses: "Meuuuuuuu Deusssssssss, minha Nossa Senhora, nem que eu salve a humanidade conseguirei retornar ao universo 1/3 da felicidade que vivemos hoje...".

ACIDENTE FATAL

Vinicius Margiota dirigia uma Ford Ranger - estava sozinho - e se acidentou por volta das 3h30 da madrugada na alça de acesso da Rodovia Anhanguera, em Jundiaí, entrando na contramão e batendo a picape de frente em uma carreta. Foi no quilômetro 61, na alça que dá acesso para a Dom Gabriel Paulino Bueno Couto.  Ainda não foram divulgados hora do velório e local.

Fotos: reprodução Facebook
Jundiaqui
Você vai
gostar de

30 anos de sucessos dos Titãs em trio acústico no Polytheama

Show neste sábado à noite traz a Jundiaí Branco Mello, Tony Bellotto e Sérgio Britto

Tem que haver reciprocidade

Por Manuel Alves Filho

A sociedade do amanhã

Por José Renato Nalini

Feirante é que decide se trabalha ou não em Jundiaí

Até domingo a decisão é de cada um, sem que haja falta e penalização por isso; segunda novas regras virão
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.