Jundiaqui
Jundiaqui

Jundiaí inverte proporção de empregos de alta tecnologia

Jundiaqui
1 de outubro de 2018
Por José Arnaldo de Oliveira

Um estudo elaborado neste ano para a Prefeitura de Jundiaí na UGDECT (Unidade de Gestão de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia) mostra que entre 2000 e 2016 os empregos industriais em setores de alta intensidade tecnológica passaram de 3.449 para 15.099, em um salto de 338%.

Nos setor chamado de média alta passou de 848 para 2.176 e no de média baixa de 13.519 para 13.441. Enquanto isso, nos setores de baixa intensidade os empregos diminuíram de 11.625 para 10.094.

No total, o crescimento bruto dos empregos industriais em 15 anos foi de 38%. A análise, divulgada neste ano, usou dados disponíveis da base RAIS, do Ministério do Trabalho – que coincidem com o final da gestão anterior mas retrocedem bastante no tempo.

No ano 2000, o percentual dos empregos no setor chamado de alta intensidade tecnológica em Jundiaí era de 11,7%, enquanto na região administrativa de Campinas era de 24,8% e no Estado de São Paulo de 25,3%.

Surpreendentemente, em 2016 o município saltou para 37% enquanto a região de Campinas ficou em 30,3% e o Estado ficou estagnado em 25,9%.

A classificação desse setor de alta intensidade tecnológica reúne, no caso local, indústrias de áreas como automotiva, informática, máquinas, equipamentos elétricos, eletrônicos e equipamentos de instrumentação.

O número de empregos industriais não significa que seja formado apenas por moradores de Jundiaí – milhares de pessoas viajam diariamente de cidades da região. Mas aponta a tendência na economia – e possibilidades para o incremento de inovação.

Na classificação usada no estudo pelo economista José Roberto Pellizer, a sintonia com as tendências mundiais abrange não apenas a adoção de sistemas ciber-físicos de produção e inteligência chamada de “indústria 4.0” mas também em outros setores como comércio, serviços e agronegócios e por isso sendo usado localmente o conceito de “economia 4.0”.

Na base conceitual está também o economista Joseph Schumpeter (1883-1950), que apontou a ligação entre desenvolvimento e capacidade de uso de inovações tecnológicas no processo que chamou de “destruição criadora”.

O princípio foi depois modernizado para a necessidade da cooperação entre empresas, governos e universidades. A metodologia, segundo registra o autor foi inspirada por modelo da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

José Arnaldo de Oliveira é jornalista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Rapper Rashid manda seu som no Sesc Jundiaí

Um dos principais nomes da cena rap nacional da nova geração se apresenta sexta

Atriz do primeiro beijo na TV deixou livro em Jundiaí

Vida Alves esteve na cidade em 2014 para lançamento de biografia publicada pela Editora In House. Morreu 88 anos

Pedreiros do universo

Por Guaraci Alvarenga

Barcelona: comer, rezar e amar

Márcio Miguel traz 10 dicas para você curtir essa cidade apaixonante
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.