Jundiaqui
Jundiaqui

Carnaval de Jundiahy já merecia foto em 1928

Jundiaqui
1 de fevereiro de 2021
Registro nas ruas é de Janczur e mostra índio em meio a fantasiados de italiano, espanhol...




Embora "Ô Abre Alas" de Chiquinha Gonzaga seja de 1889, aqui na cidade o que se sabe é que a folia do Carnaval chegou só em meados do século 20. Essa foto acima talvez seja a primeira de um desfile em Jundiahy - era assim que se escrevia o nome do município à época e até os anos 40.

Mostra foliões fantasiados e com direito a carro alegórico com patrocínio do Guaraná Antarctica. Não se tem mais informações sobre quem eram os carnavalescos e se o bloco tinha nome. A foto é da Ideal Janczur.

Vale lembrar que foi só em 1930 que o presidente Getúlio Vargas resolveu tirar o Carnaval da lista de "festas fora-da-lei". Essa foto abaixo é de 1933.

MANDCHURIA

Conta a "Enciclopédia De Paula" que Romeu Zanini e a esposa Rosa saíram à frente montados em burros de carga, com caixotes e malas, e com dezenas de foliões atrás, entre eles Oswaldo Barbaro. Todos vestidos a caráter como se fossem fazer um safari. Foi assim que nasceu o Bloco Mandchuria, que a partir de 1935 foi um sucesso.

A brincadeira de ir para a selva foi ao som de marchinhas e acredita-se que o nome Mandchuria era por conta de região remota que foi motivo de guerra entre Japão e China naqueles anos 30.

O Mandchuria voltou a sair nos anos seguintes e é o pai de todos os blocos da cidade, alguns de longa tradição como o Refogado do Sandi (foto abaixo em 2018 da Kamikaze Drones\Tribuna de Jundiaí), criado em 1994.

Fizeram história ainda Banda da Ponte, Estamos na Nossa e hoje a cidade festeja atrás também de Chupa que é de Uva, Kekerê, Continuamos na Nossa, Ponte Torta, Carne com Queijo, Leões da Hortolândia etc.



SANTA CRUZ

Já as escolas de samba vêm do final dos anos 40, com a Santa Cruz, levando à Praça da Bandeira o pessoal do Clube 28 de Setembro e outros sambistas da cidade toda.

Entre os anos 50 e 60, surgiram as escolas de samba Pitangueiras, Além Viaduto, Caio, Vianelo, Retiro e Unidos da Vila Helena (abaixo), todas descontinuadas.

Outros nomes que também deixaram saudades são Jovem Banda, Vitória Régia, Colorado e especialmente a Eldorado, uma máquina de ganhar títulos e de encantar o público nos desfiles oficiais. Foi com a Eldorado que os desfiles viveram seu auge na cidade.

Hoje, as escolas de samba são Cai-Cai, a veterana da turma e nascida em 1979, União da Vila Rio Branco, Mocidade da Agapeama, Unidos da Zona Leste, Arco-Íris (foto abaixo de Vera Gonçalves no desfile de 2020), Leões da Hortolândia, União do Povo, Caprichosos de Jundiaí e Marujos Zona Sul.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, os desfiles e bailes de Carnaval estão suspensos este ano na cidade.

JANCZUR

Foi em 1920 que surgiu a Photographia Alemã, depois rebatizada em 1928 como Photographia Ideal de Janczur. O pai Alexandre e o filho João José Janczur são donos dos principais registros fotográficos das primeiras décadas do século passado. As lojas funcionaram na Rua do Rosário.

As fotos aqui são ainda dos arquivos de José Canhoelo e Julia Piovesan da Fonseca, acervo do professor Maurício Ferreira\Sebo Jundiaí.



Jundiaqui
Você vai
gostar de

Com 10 casos de sarampo, dispara procura por vacina em Jundiaí

Esses estão confirmados e há 97 suspeitos; São Paulo registra primeira morte em mais de 20 anos

Mês do Patrimônio: resgate da Estaçãozinha em destaque

Começa dia 1º reabrindo o Polytheama e fecha dia 31 com caminhada pelos trilhos

São 25 escolas de samba na história de Jundiaí

Santa Cruz, com os sócios do Clube 28 de Setembro, foi a pioneira

EXCLUSIVO / Clube Jundiaiense 75 Anos: um festão de tirar o chapéu

Um noitada para se deliciar com Alcione, uma das mais notórias sambistas do país
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.