Jundiaqui
Jundiaqui

Ser ou não ser cozinheiro

Jundiaqui
29 de julho de 2017
Chef Manuel Alves Filho define as quatro etapas que diferenciam um profissional do amador

Recentemente, em palestra a estudantes, ousei definir as quatro etapas pelas quais uma pessoa que deseja se tornar cozinheiro profissional passa.

Gostaria de compartilhar essa definição, que é muito particular, com os amigos leitores. Felicidades aos colegas do fogão!

Primeira Fase

É a fase da descoberta, do encantamento. É o momento em que absorvemos conhecimento, aprendemos as técnicas e nos descobrimos capazes de transformar e combinar os alimentos, de modo a proporcionar prazer aos que estão à mesa.

Segunda fase

É a etapa da dor. É a tomada de consciência sobre as dificuldades do ofício, que nos obriga a ficar 10 horas em pé numa cozinha a 50 graus e a abrir mão de fins de semana e feriados com a família e os amigos.

Terceira fase

É o tempo da consciência, da certeza de que, a despeito de todas as adversidades, esta é a nossa profissão, a nossa maneira de nos reafirmarmos no mundo e de dialogarmos com ele, por meio da nossa produção técnica e criativa.

Quarta fase

É o período da completude. Aquele em que você é capaz de verter experiência e repertório em composições originais que estabelecerão, finalmente, o elo indissolúvel entre o sonho e a realização.

Foto: Ronei Thezolin

Manuel Alves Filho é jornalista e chef de cozinha
Jundiaqui
Você vai
gostar de

CONSCIÊNCIA NEGRA – Poesia sobre George Floyd vence concurso na cidade

Autor é José Renato Forner, que conseguiu levar para as letras o sufoco desse negro morto em maio

Vice se lança em desafio de tentar se tornar prefeito de Jundiaí

Dr. Pacheco concorre pelo PSD e tem como candidato na chapa um jovem de 21 anos

O poeta do mar

Por Valquíria Malagoli

Bolacha Maria ou “o corpo de Cristo”

Por Nelson Manzatto
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.