Jundiaqui
Jundiaqui

Nas cercanias da praça da Sé

Jundiaqui
11 de julho de 2017
Por Lúcia Helena Andrade Gomes

Na última quinta-feira (6), participei de uma Reunião da Comissão de Ensino Jurídico da OAB-SP, na praça da Sé.

Finalizado o encontro, fui almoçar com uma amiga advogada e professora. Ao chegar, ela arguiu se eu tinha tempo disponível para irmos a um restaurante a pé; convite aceito de forma relutante por conta do salto, martírio feminino.

Inicialmente, adentramos a belíssima catedral da Sé, para agradecermos nossas vidas e pedirmos proteção para todos familiares e amigos.

Durante a nossa caminhada, esbarramos em pedaços de seres humanos, ou o que restou após uso de drogas. São cenas chocantes. Até onde vamos chegar neste precipício com uma corda tênue que prende o ser ao humano?

Respiro fundo e prosseguimos na rua Senador Feijó até o largo São Francisco, onde admiramos as arcadas da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo! Sugeri almoçarmos no Itamaraty, mas minha amiga tinha outra sugestão...

Ao caminhar entre a multidão heterodoxa, sons múltiplos de ambulantes cruzados com o trânsito, ternos executivos e tailleur com rostos preocupados, homens e mulheres simples carregando nos semblantes a aridez da vida, escassa e árdua, descíamos da praça Patriarca rumo à Xavier de Toledo, ao famoso viaduto do Chá.

Neste burburinho, entremeado pelas nossas conversas e risos, fizemos breves paradas para observar as construções que saltam aos olhos como delirantes cartões postais.

A estas cenas cotidianas, regressei à década de 70, quando trabalhei como professora de português para estrangeiros e inglês na rua Barão de Itapetininga - um olhar retrospectivo e vejo a menina interiorana descobrindo a Pauliceia.

Eis que chegamos ao máximo da arquitetura: o Teatro Municipal. Fiquei sem fôlego e minha amiga Patricia convidou me: -vamos entrar?!

O Restaurante Santinho está dentro do Municipal! Não pude deixar de sentir o ar da Ópera em Paris!

No ambiente histórico, almoçamos cardápio requintado e nacional, respiramos cultura nos tetos e espiamos a miséria humana tão próxima, foi impossível ser completamente feliz.

Lúcia Helena Andrade Gomes é advogada e professora
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Desfile, workshop, dança, samba, fotografia e muita diversão… Que loucura!

Festa da Uva é cheia de atrações e por isso atrai uma multidão

Maria dos Pacotes: o mito vive

Carlota Edith Barbieri, uma pequena e frágil mulher, adotou um estilo de vida que assustava muita gente

Quem tem mais de 12 é convidado a criar seu protótipo eletrônico na FabLab

Jundiaí vai ensinar estudantes sobre o uso do programa Arduino dia 21 de março; são só 40 vagas

No meu tempo de menino

Eusébio dos Santos se coloca no lugar de um viúvo de 75 anos que tem nos netos sua grande alegria de viver
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.