Jundiaqui
Jundiaqui

OAB Vai à Escola: sonhos possíveis de um mundo melhor

Jundiaqui
6 de junho de 2019
Por Lucinha Andrade

Lembro-me de ouvir “minha vida era um palco iluminado” desde muito pequenina e, com o passar dos anos, este trecho da canção "Chão de Estrelas" me fez reconhecer que a vida é mesmo um palco de sonhos e que no meu caso este palco foi e ainda é o chão das escolas. Essa certeza ficou ainda mais evidente nos últimos dias, quando retornei ao meu habitat natural.

Sim, creio ser genética essa ligação, porque desde minha avó a educação parece ter tomado o DNA familiar! Assim, para não perder a trajetória, aceitei com muita honra o convite de Fábio Marcussi, presidente da 33ª subseção da OAB, para presidir a Comissão OAB Vai à Escola. E feliz como na infância, estou novamente vivenciando o cotidiano escolar.

Preocupada com o imenso desafio da tarefa, consegui a companhia das também advogadas Denair Aparecida Bertassi Pilon, que é professora e diretora de escola aposentada, e de Gisele Reis, ambas ex-alunas do curso de Direto da Unianchieta. Parceria perfeita, pois formamos um trio maravilha e, claro, bastante humilde também (rs).

O projeto já existe há anos na OAB, portanto não estamos inventando a roda. O diferencial é a nossa formação e vivência na educação articulada ao conhecimento jurídico, especificamente o Direito Educacional.

O primeiro passo foi produzir um projeto e formar a nossa comissão. O convite foi aberto a todos os advogados da 33 ª OAB e, para nossa alegria, a adesão foi acima das expectativas. O objetivo maior da Comissão OAB Vai à Escola é produzir um diálogo, para compartilhar experiências e, se possível, contribuir para ampliar o leque de conhecimento dos alunos e educadores do ensino médio sobre a área jurídica frente aos conflitos enfrentados no cotidiano do contexto educacional, com foco no exercício da cidadania.

Contatamos a dirigente de ensino Ludmila Bestetti Catala Mendes para apresentar o projeto, pedir autorização e iniciarmos as visitas. A primeira unidade escolhida foi a Escola Estadual Dr. Antenor Soares Gandra, no Centro. A diretora Valdete Melo abraçou o projeto de pronto.

Valdete, com auxílio dos professores e ouvindo sugestões dos alunos, nos passou os temas a serem abordados, entre eles o bullying, inclusive o praticado pela internet, o racismo, a mulher na sociedade atual e a questão do estágio. Foi uma maratona de palestras realizadas nos períodos manhã, tarde e noite, com os advogados(as) palestrantes dividindo com os alunos um pouco de suas histórias de vida e também seu conhecimento jurídico.

Creio que a experiência foi ímpar, pois todos ocupamos os papeis de protagonistas e também de aprendizes. A diretora, sua vice e professores também participaram das palestras para acompanhar e avaliar o nosso desempenho, atendendo ao nosso pedido.

Os temas relevantes para o cotidiano escolar e para a vida dos jovens  permitiram, no mínimo, uma reflexão a respeito da sociedade atual e possibilidades de mudanças.

Projetos que visem fomentar a formação de jovens estudantes na rede pública e privada são sementes de sonhos possíveis para um mundo melhor. A escola é um espaço democrático, lócus de (trans)formação, palco de esperança para a consolidação de uma sociedade igualitária, mais humana e justa. Avante com o trabalho!

Lúcia Helena Andrade Gomes é advogada e professora
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Um prefeito que foi além de nossas fronteiras

Vivaldo José Breternitz escreve sobre Valdomiro Lobo da Costa

Partícula

Por Valquíria Malagoli

Brindes na Confraria de Vinhos da Coopercica

Dentro das comemorações de 50 anos, cooperados degustam vinho de diferentes produtores

Jundiaiense da Global Youth Video Competition dá palestra em escola

Nara Perobelli é uma das 20 finalistas de competição que visa esclarecer sobre as mudanças climáticas
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.