Jundiaqui

João Batista: o batizador

Jundiaqui
10 de dezembro de 2020
Por Luiz Camolesi - bacharel em Teologia - PUC-SP

O profeta do Altíssimo

Ao contrário do que muitos pensavam, João não era o Cristo. Sua missão foi preparar os corações para receber o Reino de Deus, que em breve iria chegar, por meio de Jesus. A missão de João envolveu sofrimento, incompreensões e martírio, como havia acontecido, ao longo da história da revelação, com patriarcas e profetas.

O nome do menino é João, que, no idioma hebraico, significa “Deus agraciou”. Ou seja, o profeta é uma graça, um dom de Deus, não apenas para os pais dele, que estavam velhos. João é um dom de Deus porque é um profeta. Sua vinda a este mundo é uma intervenção de Deus no curso da história.

Por isso, o nascimento do profeta causa “alegria” e “temor” nas pessoas. Alegria porque a vinda de um profeta ao mundo significa que Deus ainda se importa com a humanidade; significa que, diante da infidelidade das pessoas, Deus manifesta fidelidade de sua parte e deseja reatar os laços de amizade com a humanidade. Temor porque o profeta nos inquieta, a sua palavra é espada cortante e penetrante, que manifesta as intenções dos corações. A vida do profeta é luz a exigir que nos deixemos iluminar e abandonemos nossas trevas interiores.

João era filho único de um sacerdote que atuava no Templo de Jerusalém e, segundo as leis, deveria suceder o pai em sua função, assegurando que a linhagem sacerdotal continuasse. Mas, em algum momento, João rompe, conscientemente, com o templo e com tudo o que ele significava.

João é a voz que clama no deserto

João anunciava o juízo iminente e gritava a necessidade de conversão com imagens duras e cortantes como faca. Exortava à penitência e exigia dos que acorriam a ele, para ouvi-lo, a conversão e a prática da justiça. João gritava que não adiantava apelar para a eleição por parte de Deus. Era imperativo reconhecer-se afastado de Deus, tomar consciência das faltas e, clamando por misericórdia, retornar a Deus.

Mas, João não era o Messias esperado

Muitos autores, ainda hoje, se debruçam sobre como situar a figura de João dentro do vasto campo em que se apresentam os profetas de Israel. Seu discurso é simples e claro, ele prega com base em sua autoridade pessoal, que parece sentir provir diretamente de Deus.

A radicalidade e a originalidade da atividade de João deram origem a especulações sobre a figura do Messias. Seria João o Messias ansiosamente esperado por Israel?

João nunca se considerou o Messias dos últimos tempos. Ele tinha consciência de que era aquele que apenas iniciava a preparação. Via muito além do seu tempo, compreendia-se como parte de um processo dinâmico.

“Como é difícil discernir entre a Palavra e a voz, os homens acreditaram que João era Cristo. Tomaram a voz pela Palavra. Mas João se identificou como a voz para não usurpar os direitos da Palavra. Disse: 'Não sou o Messias, nem Elias, nem o Profeta'. Perguntaram-lhe: O que diz de você? E ele respondeu: 'Eu sou a voz que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor'. A voz que clama no deserto, a voz que rompe o silêncio".

Diz “preparai o caminho do Senhor” como se dissesse: “Sou a voz cujo som apenas introduz a Palavra no coração; mas, se não lhe prepararem o caminho, a Palavra não virá aonde eu quero que ela entre” (c.f. Santo Agostinho).

Peçamos ao Senhor Deus, a Graça de nos abrirmos a sua Palavra.

Leia mais
Você vai
gostar de

Alimentação ou fome?

Pelo chef Manuel Alves Filho

Fica Tite

Por Marcel Capretz

Sábado tem mostra de curtas produzidos em Jundiaí

“Mostra Cinema em 10 Dias” chega a sua sétima edição com exibição no Ateliê Casarão

EncontrAfro 2018 escolhe sua rainha

Vai ser no Clube 28 de Setembro, nesta quinta, com entrada gratuita
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.