Jundiaqui
Jundiaqui

Nem com o nariz pra fora

Jundiaqui
16 de junho de 2020
Por Nelson Manzatto

Quarentena sempre dá ideia de 40. Mas se é exatamente isso, já completei a segunda quarentena. Abandonei caminhada nas ruas, nos parques – este porque estão fechados – desde o dia 18 de março.  É que quarentena é realmente para ficar em casa e, se possível, não colocar nem o nariz pra fora da porta!

Adotei uma sistemática simples: acordo sempre as 7 horas da manhã – poderia ser bem mais tarde – talvez por já ser um velho costume, desde que deixei o jornal, quando chegava em casa sempre no início da madrugada e acordava lá pelas 10. Com a aposentadoria, me vinguei: comecei a acordar cedo!

E logo tem café da manhã, uma leitura do Evangelho do dia e repassando o mesmo, pelas redes sociais a uma infinidade de pessoas. Até porque, vejo gente curtindo o mesmo de norte a sul do Brasil. E isso me transforma num servidor do Evangelho, mostrando a todos os ensinamentos de Jesus.

Depois desta ação, uma olhada rápida no noticiário, porque as informações são tão tristes que é melhor ver rapidamente e se manter longe disso.

Tomo conhecimento pela formação jornalística, mas é difícil entender porque um vírus nasceu na China, cresceu na Itália, estudou nos Estados Unidos e veio fazer política no Brasil. Este é o ponto triste: estamos batendo recorde de mortes e os homens brigam por poder!

E pioro de tudo: o número de mortes cresce e as pessoas saem pras ruas... com aval dos governantes!

Mas vou ficando...

Leitura, orações, preparação para o almoço, depois dele uma leve soneca. E lá vou em busca do mapa mundi. Esta é a oportunidade para se conhecer o mundo, sem sair de casa, sem colocar o nariz na rua!!!

Não pensem o leitor que busco leituras sobre o mundo. É que tenho um quebra-cabeças de três mil peças e que estão se transformando no Planeta Terra. Faço isso, no espaço gourmet, já que não recebo ninguém em casa. E isso, desde o dia 18 de março!

Às vezes penso que hoje é 19 de março, que amanhã vai ser 20. Mas já mudaram a história do calendário e comemoramos o 9 de Julho e estamos a quase um mês desta data. Com todos os feriados já curtidos, resta a muitas pessoas, eu não, aproveitar o comércio aberto e gastar... como se todo mundo tivesse dinheiro sobrando.

Tarde caindo, noite chegando, um leve jantar, um olhar pela televisão, porque as notícias ruins da manhã continuam à noite, com números de vítimas sempre maiores. A opção passa na busca por um filme. Pra quem não tem Netflix – e isso não é propaganda – percebe-se que os filmes de hoje na TV são os mesmos de ontem, anteontem. E mais não sei quantos trasanteontem. TV abandonada – até programa de receitas também são repetidos – e a melhor opção é rezar por um mundo melhor e dormir, pedindo a proteção de Deus.

Apenas no domingo a situação muda e o ambiente fica mais alegre: almoço especial preparado pela esposa Rita. Filho, Tiago Alexandre se diverte com amigos no computador. Conversa, música – mesmo que seja dos anos 70, 80, 90 que são melhores do que as atuais – o limão, o açúcar, a cachaça... E enquanto a Rita cozinha, a gente consome a caipirinha! A rima é proposital, até porque a informação é verdadeira. Como jornalista que sou, sei que Fake News não chega por aqui! E se futebol era atração das tardes de domingo, hoje a gente percebe que todo mundo esqueceu dele.

E lá se vai mais um domingo, lá se vai mais uma semana. A saída só acontece quando se faz necessária: médico, farmácia – grupo de risco tem sempre uma ação diferente ao isolamento ou quarentena – mercado rápido e sempre com máscara no rosto. Desta vez, com o nariz dentro dela...

Nelson Manzatto é jornalista e escritor
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Cemitério no foco de Regina Kalman ganha exposição virtual

“Arte da Saudade” reúne fotos do Nossa Senhora do Desterro

Dia dos Pais fica mais divertido com caricatura de presente. É de graça

Ainda dá tempo de participar da campanha “Meu pai é uma inspiração”

Kekerê vai às ruas e reafirma seu papel cultural

Bloco atrai milhares de pessoas e mostra que Jundiaí ama o Carnaval

“Não-Voto” ajudou a definir rumos da cidade pelos próximos 4 anos

Por José Arnaldo de Oliveira
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.