Jundiaqui
Jundiaqui

O ano em que meus pais saíram de férias

Jundiaqui
3 de julho de 2017
Dr. Didi conta outra história, a dos ministros juízes que saíram de férias e resolveram dar algumas liberdades
Cao Hamburguer fez esse filme que foi lançado em 2006 com Caio Blat e Paulo Autran no elenco.

A história é de 1970, no auge do regime militar.

Um garoto é levado para outra família, porque seus pais foram presos.

Quando pergunta por seus pais, lhe é dito que saíram de férias.

Agora aconteceu o contrário. Foram os ministros juízes que saíram de férias e resolveram dar algumas liberdades.

Parece uma atitude moleque. "Já que é para esculhambar, vamos esculhambar!"

Fica parecendo, no entender de Marco Aurélio Melo, quando de sua sentença em relação ao Aécio Neves.

Não samos mais "coxinhas ou mortadelas e sim pamonhas", como diz Ricardo Boechat.

Não conseguimos entender como funciona o judiciário brasileiro e quais são as verdadeiras atribuições do Ministério Público.

Há um atropelo de funções e parece que ninguém entende o que é ou não constitucional. Situações, tais como briga de cartomante x madame, que não teve o marido de volta. Pagamento de taxa de permanência de mercadoria que não foi combinada. Decisão do Brasileiro de 1987 viram assunto para resolução no Supremo. Passam-se tardes inteiras em entediantes monólogos de suas senhorias...

Tenho ouvido de eminentes juristas que, na realidade, os processos é que são mal feitos e as provas insuficientes.

As denúncias são mal embasadas e favorecem os réus, numa instância superior, como aconteceu com Vaccari dias desses.

Como não há mais sigilo, a sociedade percebe, via imprensa, que o crime aconteceu. Há provas cabais e pronto.

É verdade que a presunção de inocência é um direito de todos. No entanto, o país padece à espera não de Godot e sim da mitigação da fome de 14 milhões de pessoas desempregadas e da queda de renda de quase toda população ávida de serviços decente e humano em hospitais, escolas e preocupada com a própria vida em nossas ruas.

Até.

Diógenes Augusto Archanjo da Silva, o Dr. Didi, é médico ortopedista




Jundiaqui
Você vai
gostar de

Marcos Bonequini estreia novo “Resenha” em Jundiaí

Campeão do mundo leva seu programa de entrevistas e histórias ao YouTube e redes sociais

Turma do Erazê de volta ao Natura

Publicitário que criou o Refogado do Sandi adorava ir ao bar do Vianelo, onde teve livro de memórias lançado

Ainda dá tempo de entrar na onda do vinho solidário; sexta tem brinde virtual

As garrafas de produtores locais que são vendidas, geram doação de para famílias carentes

Quadro de 1873 da 1ª Baronesa de Jundiahy está à venda por R$ 9,7 mil

Retrato foi um presente do Imperador Dom Pedro II para a família Queiroz Teles
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.