Jundiaqui
Jundiaqui

Duda Zilio agora é estrelinha lá no céu

Jundiaqui
1 de novembro de 2017
Nossa Garota de Fibra teve muitas complicações após o transplante de pulmão e morreu aos 15 anos

Edu Cerioni

Novembro começou triste. Maria Eduarda Massucato Zilio, a Duda, disse adeus na tarde desta quarta-feira (1º). Virou estrelinha lá no céu.

Nossa Garota de Fibra brigou muito pela vida nestes 142 dias em que ficou internada na UTI da Santa Casa de Misericórdia, em Porto Alegre (RS), onde passou por transplante de pulmão intervivos.

A jundiaiense tinha 15 anos e seu grande sonho era voltar para casa, rever os amigos e brincar com o cão salsichinha Snoop. Não conseguiu vencer a batalha por respirar livre de aparelhos.

Ainda não há informações de quando vai ser feito o traslado do corpo para o enterro aqui na cidade.

Nesses quase cinco meses de UTI no hospital que é referência na América Latina toda para transplante de pulmão, ela teve que fazer uma traqueostomia, enfrentou com força e fé quase uma dezena de infecções por bactérias, duas pneumonias e outras complicações, como um início de trombose na perna direita por conta do uso da máquina Ecmo que é ligada na artéria femural e serve para oxigenar o pulmão.

No final de setembro, fui a Porto Alegre e trouxe a história dos Zilio para cá. O sacrifício de Duda e de seus pais, Alexandre e Margarete, que a acompanharam esse tempo todo nas 24 horas do dia. A menina estava ligada a aparelhos respiratórios desde 2014.

Ela teve diagnóstico de fibrose cística, doença de origem genética que compromete os órgãos - em especial os pulmões - logo aos 3 meses de vida, quando ficou uma semana na UTI em Jundiaí. A partir daí, começaram os tratamentos na Unicamp que deram resultado e permitiram que estudasse normalmente e fizesse natação, balé... Foi a partir de 2014 que as coisas viraram de ponta-cabeça.

A família até tentou inscrevê-la em um programa de testes de novos medicamentos na Bélgica antes que os médicos apontassem para a necessidade de transplante.

Na minha visita não pude ver Duda, mas ganhei dois amigos, Alexandre e Margarete, que tinham sonhos e muitos planos para o futuro de Duda.

A família Zilio se mudou para lá em dezembro de 2015, quando começou o processo que resultou no transplante de 12 de junho passado pela equipe do Dr Sadi Schio. Duda passou por uma cirurgia de pulmão bilateral intervivos em que os doadores foram a mãe e o irmão por parte de pai, o Xanzinho. Durou cerca de 10 horas e foi definida como um sucesso. Foram usadas três salas cirúrgicas, com três equipes para a retirada de um lobo do pulmão da mãe e outro do irmão e o transplante para a caçulinha dos Zilio - Xanzinho tem 34 anos e Priscila, outra filha de Alexandre, 37. As complicações vieram logo nas primeiras horas pós-cirurgia e se avolumaram desde então.

 

Se antes os pedidos eram de orações e vibrações para que se recuperasse, agora é por conforto para os pais e demais familiares e amigos.



Leia também:

Família Zilio unida pela vida: “Viemos em 3, vamos voltar em 3 para casa”


Sonho de respirar sem aparelhos é mais real a cada dia para Duda


Duda ensaia para aprender a respirar sem aparelhos


Amigos seguem em corrente de orações por Duda Zilio

Jundiaqui
Você vai
gostar de

Tem princesa que cria piolho no Complexo Fepasa

Espetáculo inspirado em conto do folclore tem entrada gratuita nesta quinta

Crianças: o convite é pra fazer arte nas Oficinas Maxi Kids

É gratuito e vai ser de 3 a 15 de outubro, das 14h às 20h, na Praça das Bandeiras

Jundiaí se joga “No Mundo dos Sons” de Hermeto Pascoal

‘O Bruxo” vem ao Sesc para lançamento de seu novo disco em 9 de agosto

Engenheiro da Companhia Paulista ficou cego na Revolução de 32

O nome dele era José Alfredo Montes de Marsillac, que dá nome a uma estação de trem
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.