Jundiaqui
Jundiaqui

Alma de mulher

Jundiaqui
8 de março de 2018
Por Thaty Marcondes

Se um homem visitasse a casa de uma mulher, veria a sala simples e arrumada, com um sofá sempre a esperar por uma investida ousada do amante; um vaso de violetas sobre uma toalhinha de crochê feita pela avó; um tapete com almofadas em frente à lareira e, comodamente dispostos, o saca-rolhas, as taças e a garrafa; o vinho à espera do calor da lareira; a lareira à espera do inverno; o inverno à espera dos corpos no tapete, do fogo na lareira, do buquê do vinho.

Na cozinha, uma mesa quente aguardando a fome do depois, com delícias mornas e leves, com cremes de paixão e tesão, com doces e morangos frescos.

No quarto, muitos livros sobre a mesa de cabeceira, com páginas marcadas, poesias anotadas, seu nome em uma delas; na cama, os lençóis engomados e macios, algodão puro pra não esquentar ou escorregar, travesseiros e travesseirinhos apropriados para encaixar.

Depois do amor ele veria a caixa com tampa semiaberta, sobre um baú fechado. Nela, fotografias amareladas, algumas com dedicatórias, datas, até rostos recortados – dores do passado que jogamos fora –; o primeiro sapatinho dos filhos, anotações sobre suas vidas, fotos de crianças banguelas (idade gostosa que toda mãe quer colecionar!); os dentinhos perdidos em uma caixinha pequena. Ninguém entende isso – só mãe mesmo.

Dentro de nós moram duas: o que uma tem de santa, a outra tem de fêmea vadia, bicho solto. Mulher âmago é dualidade pura, mas sabe dividir o tempo: há um tempo de ternura, há um tempo de carícias. Só não gostamos é do tempo de amarguras, que sobrevém quando um destes dois se finda, então tecemos esperanças de um novo tempo de delícias.

No sótão raramente permitimos visitas: espelhos da juventude, sapatos de bailarina, títulos de livros, nomes dentro de corações sangrentos, a vela da primeira comunhão, o laço de fita de quando cortamos a trança, a caneta da formatura, os tíquetes das viagens, as nuvens de algodão.

Se um homem visitasse o âmago de uma mulher, ele veria a simplicidade de seu coração, o amor em seus olhos, os filhos nos seios, a vida em seu ventre, o néctar no leite, a paixão entre as pernas, o desejo em suas mãos, em sua mente, devaneios de um mundo prenhe de paz e vazio de guerras.

Se um homem visitasse a mente de uma mulher, teríamos um mundo sem guerras, repleto de deuses e anjos, de poesia e música: Eva completando Adão, Adão nascido do sopro de Eva.

Thaty Marcondes é escritora e poetiza
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Livre trajetória

Por Valquíria Malagoli

Fica triste não, Chico! Você ainda vai ganhar sua casa…

Associação Mata Ciliar precisa de ajuda para poder dar um espaço digno para essa oncinha cega

Na Festa Julina de Jundiaí

Uma multidão foi ver o show de Zé Neto e Cristiano na noite deste domingo no Parque da Uva

Lições da Copa para 2022

Por Luis Cláudio Tarallo
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.